NYT e Los Angeles Times defendem publicação de programa de espionagem nos EUA

Os diretores dos jornais The New York Times e Los Angeles Times, Bill Keller e Dean Baquet, respectivamente, defenderam hoje a publicação da existência de um programa secreto para espionar dados financeiros dos americanos na luta contra o terrorismo.Em um editorial conjunto, Keller e Baquet defendem a publicação na semana passada da informação, cujo vazamento foi qualificado pelo presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, de "vergonhoso".Sob o título de "Quando publicamos um segredo?", os dois afirmam que, ao publicar a informação, equilibram "as vantagens e desvantagens" de fazer isso, e indicam que fizeram "o melhor julgamento possível"."Não há nenhuma fórmula mágica ou medida clara nem para o interesse público nem para os riscos de publicar uma informação delicada", afirmam os jornalistas.Este programa secreto se soma a outro de escutas sem autorização judicial de comunicações por telefone e eletrônicas entre os Estados Unidos e o exterior.O Governo dos EUA fez uma campanha de defesa dos dois programas por considerá-los imprescindíveis na luta contra o terrorismo."Nosso trabalho em tempos como os atuais é oferecer informação aos leitores que permitirá a eles julgar se os líderes escolhidos por eles estão lutando em seu nome e a que preço", acrescentam.Além disso, explicam como em outras ocasiões não publicaram informações comprometedoras, "quando a Administração" os convenceu que os riscos de publicá-las "eram maiores que os benefícios".Os dois diretores também lembram que em carta assinada em 27 de junho pelo secretário do Tesouro dos EUA, John Snow, e dirigida a Keller, qualificava de "irresponsável" e "nociva" a revelação do programa secreto."Em setembro de 2003, o mesmo secretário Snow convidou um grupo de repórteres dos nossos jornais, do Wall Street Journal e de outros, a viajar com ele e seus assessores em um avião militar em um tour de seis dias para divulgar os esforços de seu departamento para perseguir o financiamento dos terroristas", dizem.A equipe de Snow, segundo Keller e Baquet, revelou "detalhes comprometedores de seus esforços, com a esperança de que fossem publicados e se demonstrasse como eram implacáveis contra a ameaça terrorista".Os dois se perguntam como podem, como diretores, "conciliar a obrigação a informar com o instinto de proteger".O editorial dos jornais é publicado um dia depois de o The Wall Street Journal, que também publicou a informação, se distanciar dos outros dois diários. O The Wall Street Journal assegurou que os diferentes jornais tomam "decisões de forma diferente".Na sexta-feira, Associação de Diretores de Jornais dos EUA lamentou as críticas do Governo à publicação das informações."O Governo do presidente George W. Bush e alguns membros do Congresso estão ameaçando os alicerces da liberdade de imprensa e a liberdade de expressão em sua tentativa de privar os jornais de cumprir seu papel constitucional em nossa sociedade democrática", afirmou a associação em uma declaração.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.