O ataque ?invisível? dos EUA no Afeganistão

Numa operação aparentemente destinada tanto a capturar e a eliminar membros da liderança do Taleban como a fazer uma demonstração aos chefes locais que apóiam o regime de Cabul sobre a capacidade e determinação dos Estados Unidos de operar dentro do Afeganistão, mais de uma centena de "rangers" desencadearam a primeira ação terrestre de larga escala da guerra contra o terrorismo, na madrugada de ontem. O ataque, que foi precedido de mensagens de radio à população avisando da chegada das tropas e instruindo as pessoas a evitar pontes, estradas, ou contato com os soldados americanos, aconteceu na área de Kandahar, a capital espiritual do Taleban e base de seu líder máximo, o mulá Mohamad Omar."Estamos destruindo esconderijos terroristas", disse o presidente Geroge W. Bush em Shangai, onde participa da reunião de líderes da Ásia e do Pacífico, depois de receber um informe de uma hora sobre a ação. "Estamos, devagar mas seguramente, cercando os terroristas para poder trazê-los à Justiça."Em Washington, o Pentágono limitou-ser a informar que os comandos deixaram o Afeganistão em helicópteros e retornaram às suas bases depois de várias horas de ação. As fontes oficiais não identificaram a unidade ou unidades que participaram da operação nem indicaram se a ação alcançou os resultados pretendidos. Nos últimos dias, os oficiais americanos enfatizaram, nas entrevistas coletivas diárias no Pentágono, que a guerra "terá um lado visível e um lado invisível". Bush evitou fazer comentários mais detalhados sobre o ataque. "Estou satisfeito que estamos fazendo bom progresso", disse o presidente. Segundo a agência de notícias oficial do Taleban, Bakhtar, o ataque envolveu pelo menos quatro helicópteros que pousaram em Kohi Baba, uma área montanhosa a noroeste de Kandahar. O lugar estava vazio e os rangers não encontraram soldados talebans, disse a Bakhtar. A ação foi precedida de várias incursões de forças especiais no sul do Afeganistão na quinta e sexta-feira, disseram fontes anônimas do Pentágono. Paralelamente, chefes militares da Aliança do Norte, que controla uma parte do território do país, confirmaram que tiveram contatos com grupos de "oito a nove" oficiais americanos, em duas cidades diferentes. O general Abdurrashid Dosfum, que comanda uma base da Aliança do Norte em Dara-I-Suf, a cerca de 75 quilômetros a sudeste da cidade de Mazar-e Sharif - a principal cidadela do Taleban no norte do país - informou que os americanos discutiram com ele o abastecimento de víveres na região. Um outro comandante da Aliança do Norte perto de Mazar-e Sharif, Attah Mohammad, disse à agência Reuters que oito oficiais americanos chegaram de helicóptero para conversar com Dostum, numa aparente missão de reconhecimento e coleta de informção .Os Estados Unidos têm um total de 35 mil a 40 mil de soldados em unidades de commandos. Os rangers constituem o grosso das forças especiais do exército. Não há informações sobre o número desses soldados posicionados nos navios da esquadra americana no mar da Arábia e em bases em países vizinhos ao Afeganistão. Fontes do Pentágono indicaram que a ação dos rangers em Kandahar foi apenas o salvo inicial de muitas operações semelhantes, que aconteceram em combinação e com a cobertura dos ataques aéreos iniciados há 15 dias.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.