O declínio do Tea Party

Radicais da direita americana estão começando a perder apoio de setores republicanos tradicionais, algo que pode mudar o cenário político dos EUA

Bruce Bartlett*, O Estado de S.Paulo - The New York Times

07 de novembro de 2013 | 02h03

A respeito das origens, nos anos 60, dos "neoconservadores" americanos (trotskistas na juventude que, décadas depois, migraram para a direita e influenciaram amplamente o governo George W. Bush), corre uma história apócrifa. Alguns professores liberais de Harvard simpatizavam pela Nova Esquerda e por grupos radicais, como o que se denominava Estudantes por uma Sociedade Democrática. Um dia, um desses professores ouviu dos radicais a sugestão de queimar a biblioteca de Harvard como um ato de protesto; de repente, o professor se deu conta de que não tinha absolutamente nada em comum com eles. Com alguns outros colegas professores, organizou então uma vigília para proteger a biblioteca a todo custo.

Hoje, o problema não é a Nova Esquerda, mas a direita radical, que domina a política americana pelo menos desde o surgimento do movimento do Tea Party, em 2009, depois da eleição de Barack Obama. É muito cedo para afirmar com certeza, mas acontecimentos recentes sugerem que alguns dos que anteriormente apoiavam o Tea Party estão tendo seu "momento biblioteca de Harvard". Há indicações de que elites conservadoras e mais ricas optaram por um recuo, que pode fazer com que o pêndulo político retorne para o centro.

Nenhum acontecimento específico criou esse momento, foram vários. O fechamento (shutdown) do governo é um deles, a derrota republicana nas eleições para governador do Estado de Virgínia é outro, assim como o incipiente reconhecimento de que a guerra da direita contra os pobres e a glorificação dos lucros e da riqueza podem ter ido longe demais.

Um dos sinais é o ensaio publicado no dia 1.º pelo diretor da Pimco, William H. Gross, sobre Scrooge McDucks, o Tio Patinhas. A revista Forbes colocou o personagem dos quadrinhos famoso por sua imensa fortuna e por sua sovinice em primeiro lugar entre os mais ricos da ficção, com um patrimônio de US$ 65 bilhões.

Gross, que está em 252.º lugar na lista dos 400 americanos mais ricos, disse em seu ensaio que, tendo enriquecido em parte em razão dos cortes de impostos sancionados por Ronald Reagan e George W. Bush, bem como pela política de juros baixos do Fed (o banco central americano), que facilitou o crédito, começou a se preocupar com a situação dolorosa dos trabalhadores. Ou seja, com a parcela cada vez menor da renda nacional que vai para os trabalhadores e a parcela cada vez maior que vai para o capital, o que, aliás, constitui um tópico de crescente preocupação entre os economistas.

Ele chama essa época a "era de ouro do crédito". A Era de Ouro foi um período da história americana que vai de 1870 a 1880, muito semelhante ao atual, no qual a riqueza era glorificada e intelectuais como o economista William Graham Sumner, de Yale, e o filósofo Herbert Spencer justificaram a busca da riqueza e o aumento da desigualdade da renda como "darwinismo social" - a sobrevivência do mais apto. Gross agora está convencido de que os trabalhadores estão sofrendo demais em consequência dos ganhos excessivos dos ricos. Ele acha que os ricos deveriam ser favoráveis a impostos maiores à sua própria classe. É favorável ao aumento dos impostos, à tributação dos ganhos de capital, como a renda comum - atualmente, apenas 50% desses ganhos são taxados -, e à abolição da brecha do "carried interest", que permite que os gerentes de fundos hedge paguem juros sobre ganhos de capital e sua renda ordinária.

Outra crescente preocupação dos mais ricos e das associações empresariais é a admissão de que eles não têm nenhum controle sobre o Tea Party. O problema maior é o fato de que os integrantes do Tea Party só estão interessados em nomear os republicanos que se pautam pela rígida obediência aos princípios da direita, mesmo que tornem tais candidatos inelegíveis numa votação. Nos últimos anos, várias eleições para o Senado foram perdidas porque, nas primárias ou convenções do partido, os elementos mais radicais do Tea Party contrariam candidatos mais tradicionais que poderiam ganhar.

É o que voltou a acontecer nas eleições para governador no Estado de Virgínia, onde os republicanos indicaram dois candidatos que estão muito à direita num Estado que se inclina para a esquerda. O empresariado está particularmente contrariado pelo fato de o Tea Party ter posto a perder disputas eleitorais que poderiam ter sido ganhas. Alguns grupos empresariais apoiaram até mesmo os democratas - pela primeira vez desde 2001, a Câmara de Comércio de Fairfax, Virgínia, por exemplo, deu aval ao candidato democrata.

Há muito acredito que o Tea Party é um movimento populista sem nenhum poder permanente. Na época em que esteve no auge, conservadores e republicanos tentaram controlar sua energia para a obtenção de objetivos ideológicos, eleitorais e legislativos. Entretanto, o Tea Party é uma faca de dois gumes que ameaça esses objetivos em lugar de promovê-los. Agora, começa claramente um recuo. As esperanças republicanas para 2016 poderão depender dessa mudança.

*Bruce Bartlett é economista e trabalhou no governo Ronald Reagan.

TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.