O desastrado pouso da Soyuz

O pouso da nave russa Soyuz poderia ter sido bem pior para os dois americanos e um russo que pousaram ontem em uma estepe distante no Casaquistão. Em 1976, uma nave Soyuz pousou no meio de uma tempestade de neve dentro de um lago congelado. A tripulação passou a noite sacudindo dentro da cápsula.Onze anos depois, dois cosmonautas pousaram a 2 mil quilômetos do local previsto, em uma floresta. Até serem resgatados, ficaram metidos na nave, cercados por gelo e lobos famintos.Ontem, ao entrar na atmosfera, os astronautas americanos Kenneth Bowersox e Donald Pettit e o russo Nikolai Budarin ficaram sem contato com o centro de controle do vôo de Korolyov, perto de Moscou, a Soyuz se desviou de sua rota e acabou aterrissando a cerca de 500 km do ponto previsto, no deserto do Casaquistão. Foi montada uma grande operação de busca ? com aviões, helicópteros e dezenas de veículos terrestres, mas só duas horas depois a nave foi localizada, para alívio das autoridades aeronáuticas russas e americanas, que já temiam a repetição da tragédia com a Columbia ? morreram os sete tripulantes. Os astronautas da Soyuz fizeram então contato com as equipes de busca pelo rádio, mas só foram resgatados cinco horas após o pouso. Estavam bem, apenas sofrendo os efeitos do pouso porque a aterrissagem da Soyuz é menos suave que a de um ônibus espacial americano e os astronautas usaram poltronas especiais para atenuar o impacto. De qualquer forma, foram levados para Astana, capital do Casaquistão, e submetidos a exames médicos. De lá partiram para Moscou. Na estação espacial ficaram o astronauta americano Edward Lu e o russo Yuri Malenchenko, levados por uma Soyuz, em abril. Eles permanecerão na ISS até outubro. Desde o acidente com a Columbia, os vôos para levar e trazer astronautas à estação são feitos apenas por naves russas. Assim, foi a primeira vez que astronautas americanos voltaram à Terra numa nave russa e aterrissaram no Casaquistão, onde, desde a época da União Soviética, os russos mantêm sua base de lançamentos espaciais, na base de Baikonur. Bowersox, Pettit e Budarin ficaram 161 dias na estação espacial, 60 a mais que o previsto. A volta da Soyuz estava ocorrendo dentro do previsto ? no centro de vôo de Korolyov já se preparava a comemoração ? quando o contato por rádio com a nave foi perdido. Os momentos que se seguiram foram de grande ansiedade, em meio a informações contraditórias divulgadas em Korolyov, embora os astronautas tivessem conseguido manter contato por rádio com o centro de controle de vôo, dando a posição da aterrissagem. Só duas horas depois o ponto de pouso da Soyuz foi localizado pelo piloto de um avião Antonov-12. O piloto comunicou ao centro de controle de Korolyov que Budarin, Bowersox e Pettit já haviam deixado a Soyuz e lhe fizeram acenos com as mãos, indicando que estavam bem, para alívio geral no centro de controle de vôo. Mas ainda se passaram mais três horas até que as equipes de busca conseguissem chegar ao local para resgatá-los, nas estepes do Casaquistão. Nesta segunda-feira, os peritos russos encontraram-se para discutir o que deu errado com a cápsula Soyuz. A nave espacial era um modelo novo que não havia enfrentado uma reentrada antes. ?Foi uma experiência interessante para um vôo de teste?, disse Bowersox, um capitão da marinha e ex-piloto testes. Dentro da Soyuz, as telas dos computador mudaram abruptamente de uma reentrada sustentada a uma de balística pouco antes do pouso e os três tripulantes souberam que seria uma descida consideravelmente mais íngreme e mais áspero que usual.Bowersox, que comandou a missão da estação espacial, disse à AP que pensou que a missão havia notificado o controle russo sobre as indicações do computador para uma entrada balística, mas não tinha certeza. ?É possível que a comunicação tenha se perdido nesse ponto?. A última chamada recebida da Soyuz confirmou que os pára-quedas principais tinham sido abertos, 16 minutos antes do pouso. As antenas foram despedaçadas depois que a cápsula foi arrastada por 14 metros pelos pára-quedas. ?Nós pensamos que todos sabiam? onde a Soyuz aterrissou, disse Bowersox. ?Obviamente, sabíamos tanto quanto os outros?, brincou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.