O ensurdecedor silêncio diante da matança de Assad

"Nosso presidente nos mata", gritou um cidadão sírio ao atravessar a fronteira da Turquia, fugindo das balas dos soldados de Damasco - como fazem outros milhares de pessoas. A população protesta contra o regime de Bashar Assad há três meses. Enfrenta os fuzis da ditadura. Sem sucesso. A "primavera árabe" clareou o céu da Tunísia e do Egito. O céu da Síria continua sombrio. Nestes três meses, 1.400 pessoas foram mortas pelos soldados. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, apelou a Assad pelo fim da matança de seu povo. É de espantar o silêncio da comunidade internacional diante dos crimes praticados pelo poder sírio.

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2011 | 00h00

Na Líbia, Muamar Kadafi também ordenou a seus soldados que atirassem contra a população - mas, em seguida, França, Grã-Bretanha e EUA puseram em ação a pesada máquina da Otan para auxiliar os democratas que se levantam contra a tirania.

Nada disso ocorre no caso da Síria: Assad mata e os outros países olham de longe. Sobretudo os países árabes. Tunísia e Egito, que destronaram brilhantemente seus ditadores, não fazem fronteira com a Síria. Além disso, os regimes que sucederam aos de Ben Ali e Mubarak ainda vacilam. Silêncio, portanto. A inércia da Arábia Saudita também se explica: a Síria é muito próxima do Irã xiita. Os sunitas de Riad detestam a aliança entre iranianos e sírios, mas preferem manter o status quo na região. E têm horror a revoluções democráticas. O coração dos príncipes sauditas palpita. E não faz nada.

Há ainda o caso de Israel, que sempre denunciou o apoio dado pela Síria a duas organizações consideradas terroristas: o Hezbollah, no Líbano, e o Hamas, na Faixa de Gaza. Mas, desde que começaram as revoltas no país vizinho, Israel parece ausente. A razão: a Síria sempre manteve a ordem ao longo da fronteira com Israel, que se acomodou com a ditadura síria.

O Ocidente já tem guerras demais sob os braços. Não está disposto a abrir uma nova frente na Síria. A França é exceção. Nicolas Sarkozy luta para que o governo de Damasco seja condenado pela ONU. Por que tanta energia? Sem dúvida, ele quer que esqueçamos o início catastrófico do seu mandato, quando acolheu em Paris, com luxo, vulgaridade e fausto grotescos, o insuportável coronel Kadafi e o melífluo Assad. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É CORRESPONDENTE EM PARIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.