O futuro não será de quem falar apenas inglês

A idéia de que o inglês é o idioma que vai dominar o mundo está ultrapassada e o futuro mais provável é o de pessoas que rotineiramente recorram a dois ou mais idiomas. De acordo com o especialista britânico David Graddol, que publicou estudo na edição desta semana da revista Science, a parcela da população mundial que tem o inglês como idioma nativo está diminuindo. Em compensação, o papel do inglês como segundo idioma tende a crescer. Para o lingüista, a maior contribuição do inglês vai ser a criação de novas gerações bilíngües ou poliglotas e aqueles que falam apenas o inglês vão ter dificuldade de participar plenamente de uma sociedade poliglota. Populações poliglotas já são comuns em várias partes do mundo e estão se tornando comuns nos Estados Unidos. No ano passado, o Censo americano mostrou que um em cada cinco americanos fala outra língua, que não o inglês, em casa, com o espanhol em primeiro lugar, seguido pelo chinês. Segundo o pesquisador, em 1995 o inglês era a segunda língua mais falada do mundo - com 9% de falantes nativos -, atrás apenas do chinês. Em 2050, o chinês (mandarim) continuará em primeiro lugar, mas a fração de falantes nativos do inglês deve cair para 5%, sendo superado pelo hindi/urdu, da Índia, e o árabe e igualado pelo espanhol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.