´O Irã ajudará a estabilizar o Iraque´, diz Ahmadinejad

"O Irã apoiará seu irmão, o Iraque, de todas as maneiras possíveis para promover a segurança no país." Foi com essa declaração que o presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad recebeu seu colega iraquiano, Jalal Talabani, que chegou nesta segunda-feira a Teerã para uma visita de dois dias. O objetivo da viagem é discutir medidas para que o governo de Ahmadinejad coopere no processo de paz iraquiano. A Síria também foi convidada para o encontro, mas não compareceu. Ahmadinejad já revelou que ajudaria os EUA no Iraque se Washington "parar de importunar o Irã". Para ele, "um Iraque estável e desenvolvido é do interesse não só dos iraquianos, mas também do Irã e de toda a região". Recentemente, tanto o Irã quando a Síria vêm sendo pressionados para auxiliar no conflito, inclusive pelas Nações Unidas. Nesta segunda-feira, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, alertou para o caos no Iraque: "A menos que algo drástico seja feito imediatamente, o Iraque estará sob guerra civil. Na verdade, estamos quase lá". "A estabilização da segurança no Iraque é a parte mais importante de nossas conversas. Precisamos desesperadamente da ajuda iraniana para garantir a segurança e estabilidade no Iraque", teria dito Talabani, segundo a TV estatal iraniana, após o encontro com Ahmadinejad. O encontro entre os dois líderes, que aconteceu com dois dias de atraso devido a problemas de segurança em Bagdá, vem num momento em que Teerã tenta estabelecer um papel como potência regional capaz de conter a influência de Washington sobre Bagdá. Durante as conversas, Ahmadinejad prometeu a ajuda de Teerã em melhorar a situação de segurança no Iraque. "Nós acreditamos que um Iraque estável, desenvolvido e poderoso é de interesse de todos os iraquianos, assim como do Irã e de toda a região", disse Ahmadinejad, segundo a TV estatal iraniana. Esforços americanos O encontro bilateral acontece a poucos dias de uma reunião entre o presidente americano, George W. Bush, e o premier iraquiano, Nouri al-Maliki, que acontecerá ainda esta semana na Jordânia. Essa visita, somada à viagem do vice-presidente americano à Arábia Saudita, no sábado, é vista como uma evidência de que a administração Bush está intensificando seus esforços para levar estabilidade ao Iraque. Por outro lado, os Estados Unidos se recusam em negociar com o Irã e com a Síria, argumentando que tanto Teerã como Damasco apóiam grupos insurgentes no Iraque. Ainda assim, a administração Bush vem sendo pressionada a se aproximar do Irã e da Síria num último esforço para sanar a violência que arrasta o Iraque para uma guerra civil sem precedentes. Em sua edição desta segunda-feira, o jornal New York Times diz ter obtido um rascunho de um estudo conduzido por um grupo liderado pelo ex-secretário de Estado James A. Baker III, que recomenda maiores esforços diplomáticos regionais, incluindo uma aproximação da Síria e do Irã.

Agencia Estado,

27 Novembro 2006 | 20h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.