O Irã e o instinto de Obama

Consciência de líder está certa em evitar ao máximo um confronto militar direto com[br]Teerã; é preciso insistir nas negociações, em vez de aplicar novas punições ao regime

Stefan Simanowitz, The Guardian, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2010 | 00h00

Há alguns dias, a Rússia e os Estados Unidos assinaram um novo tratado de redução de armas estratégicas (Start) dando sinais de uma mudança significativa no foco da estratégia nuclear dos EUA - de seus antigos inimigos da Guerra Fria para os chamados Estados renegados. Na última semana, na cúpula sobre segurança nuclear em Washington, a China concordou pela primeira vez em trabalhar com os EUA numa possível aplicação de sanções contra o Irã. Enquanto cresce o ímpeto para novas sanções contra Teerã na ONU, crescem também os temores de que uma intervenção militar contra o Irã esteja se tornando mais provável. Os instintos do presidente Barack Obama assegurarão que ele fará tudo ao seu alcance para evitar um conflito militar com o Irã - mas ele enfrenta "falcões" em casa.

No mês passado, o senador americano Lindsey Graham disse a uma plateia que, se for usada, a força militar contra o Irã deve ser empregada "de maneira decisiva" assegurando que o Irã não tenha nem mesmo "um avião que possa voar ou um navio que possa navegar". Esse tipo de retórica belicosa não é nova vindo de falcões em Washington, mas as palavras do senador Graham refletem uma militância crescente no Congresso, que no ano passado autorizou US$ 46 bilhões em recursos militares de emergência. No fim de março, circulou uma resolução na Câmara dos Representantes endossando explicitamente um ataque militar israelense ao Irã se "nenhuma outra solução pacífica puder for encontrada em tempo razoável". O tipo de "solução pacífica" e o tempo que eles considerariam "razoável" não foi especificado.

Noticiou-se recentemente que centenas de bombas "arrasa bunker" (que penetram profundamente no solo antes de explodir) estão sendo enviadas dos EUA à base militar americana na Ilha de Diego García, no Índico, e o governo americano assinou contrato com uma empresa de transporte para levar 19 contêineres de munição para a ilha. Serão mandadas 195 bombas inteligentes Blu-110 com penetradores e 192 bombas Blu-117 de 900 quilos. Os EUA já possuem uma força militar poderosa no Golfo e estão realizando manobras navais em larga escala no Atlântico com britânicos e franceses.

Ao assumir a presidência, Obama fez uma clara ruptura com a estratégia para o Irã de George W. Bush, demonstrando a disposição de negociar diretamente com Teerã sem precondições. Em seu pronunciamento pela televisão voltado para o Irã e em seu discurso no Cairo, ele reconheceu publicamente os aiatolás como legítimos representantes do povo iraniano, admitiu o direito do Irã de enriquecer urânio e falou abertamente do papel da Agência Central de Inteligências (CIA) na deposição do primeiro-ministro iraniano, Mohammad Mossadegh, em 1953.

Em outubro, ele manteve conversações diretas com os iranianos em Genebra depois das quais o jornal britânico Financial Times observou que Obama "obteve mais do Irã em oito horas do que a posição enérgica de seu antecessor conseguiu em oito anos".

Obama também herdou uma máquina militar cujos planos para um ataque ao Irã já estavam bastante avançados, e enfrenta uma mídia conservadora e um público pouco familiarizado com uma política externa com base na diplomacia paciente e na construção do consenso que muitos equiparam à fraqueza. A mais recente rodada de sanções envolverá exigências rígidas de inspeção de todos os bens que entram e saem do Irã e um embargo de produtos derivados de petróleo para o Irã. O bloqueio naval necessário para aplicar as sanções - seguramente envolvendo a Marinha Real britânica - poderá perfeitamente levar à guerra. Como se viu no Golfo de Ormuz nos últimos anos, escaramuças com a Marinha iraniana na região tendem à escalada.

Nas conversações em Genebra, o acordo proposto pelos EUA estabelecia que o Irã trocasse a maior parte de seu estoque atual de urânio pouco enriquecido por hastes de combustível para usinas vindos da Rússia e da França. Essa troca de "combustível por combustível" foi em grande parte aceita pelo presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, Mas, preocupado com "promessas quebradas" anteriores, ele propôs que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) assumisse o controle do urânio pouco enriquecido no Irã até as hastes de combustível serem entregues. Como um passo para uma solução desse problema arrastado, a contraproposta do Irã parecia sensata, mas foi descartada. Em vez disso, os EUA não parecem dispostos a negociar, considerando o acordo proposto uma oferta para "pegar ou largar".

A aparente meta das negociações nucleares dos EUA de completa cessação de todas as atividades de enriquecimento pelo Irã é não só irreal mas, até certo ponto, indesejável. Ahmadinejad não vai desistir das atividades de enriquecimento que considera um direito inalienável do país.

Enquanto muitos têm preocupações genuínas de que o Irã está decidido a desenvolver armas nucleares, a maneira de assegurar que o Irã não se tornará uma nação nuclearmente armada não é isolar Teerã. Em vez disso, é preciso restabelecer rigorosas atividades de monitoramento internacional. Argumentos sobre o possível cronograma para o Irã obter uma capacidade de produzir armas nucleares tornam-se acadêmicos se assegurarmos a cooperação iraniana como o regime de inspeções da AIEA.

Com novo respeito nas ruas árabes por sua condenação, no mês passado, da política israelense de assentamentos, e mais legitimidade em seu apelo pela não-proliferação nuclear ao embarcar ele próprio na redução de armas, Obama deveria aproveitar essa oportunidade para prosseguir nas negociações com o Irã em vez de promover novas sanções. Os neoconservadores podem tentar convencer Obama de que, na condição de única superpotência global, os EUA precisam aproveitar este momento para garantir sua posição na região e assegurar controle das reservas cada vez menores de petróleo e gás. Eles podem argumentar que é preferível lançar um ataque preventivo contra o Irã mais cedo, enquanto a máquina militar americana está na região, do que mais tarde, quando o Irã se tornar ainda mais forte. Mas um ataque assim, com base no princípio da autodefesa antecipada e lançado antes de todos os meios pacíficos terem sido esgotados, seguramente não se coadunaria facilmente com a consciência de Obama. A nós, só nos resta esperar que Obama continue sendo um homem guiado por suas crenças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.