Logan Cyrus / AFP
Logan Cyrus / AFP

O legado racista no dia a dia do sul dos EUA

Cidades como Charleston, na Carolina do Sul, ainda têm manifestações com bandeiras confederadas e defesa dos soldados sulistas que morreram na Guerra Civil

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2020 | 16h31

 

CHARLESTON, EUA - Um homem caracterizado como o general Robert E. Lee agita uma grande bandeira confederada em Charleston juntamente com manifestantes, segurando cartazes que dizem "O racismo mata" e "Fora KKK".

Enquanto os Estados Unidos se encaminham para eleições após um verão de protestos contra o racismo, a memória dos tempos em que a escravidão dividia o país pode ser vista todas as semanas na pitoresca cidade de Charleston, na Carolina do Sul.

O racismo e a discriminação entraram na turbulenta campanha eleitoral americana, galvanizando o movimento "Black Lives Matter", que exige que os políticos acabem com as desigualdades.

O presidente republicano, Donald Trump, resistiu explicitamente em condenar grupos nacionalistas brancos, e os democratas os acusam de adotar táticas de intimidação, como dizer que seu candidato, Joe Biden, busca "destruir os bairros residenciais" com casas de imigrantes de baixa renda.

Em Charleston,  as tensões persistem. Como todos os fins de semana nos últimos cinco anos, Braxton Spivery exibe sua bandeira confederada em frente ao monumento dos Defensores da Confederação.

"Estou aqui para preservar a história", diz este homem de barba branca à AFP. "Devemos aprender com isso. Se apagarmos a história, ela se repetirá", afirma.

Para Entender

Eleições nos EUA: entenda o processo eleitoral americano

Saiba como funcionam bipartidarismo, prévias, escolha dos vices, colégio eleitoral, votos, apuração e pesquisas na disputa presidencial dos Estados Unidos

Em maio, o negro George Floyd morreu sufocado sob o joelho de um policial branco em Minneapolis. Desde então, mais de 100 monumentos e outros símbolos da Confederação, formada em 1861 por estados escravocratas do sul que queriam se separar da União, foram removidos dos espaços públicos.

Spivery insiste que não é racista, observando que pessoas mal-intencionadas "caluniaram" a honra dos soldados sulistas mortos na Guerra Civil, usando a bandeira confederada pela causa da supremacia branca.

Do outro lado da rua, a aposentada Rita Kazirskis não acredita nessa mensagem. "Eles ficam em frente à estátua com seu conto de fadas de que é uma causa nobre, quando a verdade é que eles são um bando de racistas que celebram a história racista. E é por isso que estou aqui", diz Kazirskis, de 53 anos.

A polícia observa o protesto, enquanto os motoristas buzinam, ou mostram o dedo médio, ao passar. "Vamos tornar a América grande novamente", diz um homem recitando o slogan de Trump ao passar pelas bandeiras confederadas.

Injustiça diária - 

A Carolina do Sul, onde a Guerra Civil começou em 1861, enfrenta seu passado racista, mas também um nacionalismo branco que, segundo muitos residentes, ataca diariamente.

O tiroteio na Igreja Mother Emanuel levou o governador republicano do Estado a remover a bandeira dos confederados dos locais públicos.

Charleston, onde quase 40% dos escravos africanos desembarcaram, pediu desculpas em 2018 por seu papel no comércio de escravos. 

Em 3 de novembro, a Carolina do Sul poderá eleger seu segundo senador negro, o democrata Jaime Harrison, e se tornar o primeiro Estado a ter dois senadores negros em exercício. 

Especialistas dizem que a supressão de eleitores continua sendo um problema sério, especialmente no sul do país, à medida que as acusações de racismo proliferam no mercado de trabalho, educação e esportes.

A artista e escritora negra Tynishia Brown diz que não há como escapar da discriminação na Carolina do Sul, que também é alimentada pelas autoridades nacionais.

"Nosso presidente atual não me convenceu de que não é próximo dos supremacistas brancos", diz Brown, de 26 anos. "Aqui a injustiça racial é real. Vemos isso diariamente", ressalta.

O candidato ao Senado Harrison admite os desafios. "Este é o legado, esta é a dor histórica, com a qual tantos negros vivem todos os dias", afirmou Harrison, de 44 anos, a repórteres. "Então eu entendo o que a jovem está dizendo. É difícil", completou.

Piada 'racista'

A questão se incendiou quando o rival republicano de Harrison, o senador Lindsey Graham, fez uma piada racista na semana passada. Aliado de Trump, Graham provocou indignação ao invocar "os bons e velhos tempos da segregação" durante audiência de confirmação da indicada pelo presidente para a Suprema Corte, Amy Coney Barrett.

"Isso é racista e não deveria ter sido dito (...) nem mesmo de brincadeira", reclama Marcus McDonald, um ativista de 23 anos do "Black Lives Matter". "Nossos ancestrais morreram pelo direito de fazer isso", disse ele antes de votar. 

Muitos acreditam ver mudanças positivas na Carolina do Sul. Em junho, a estátua do presidente John Calhoun, um ferrenho defensor da escravidão, foi removida de um parque de Charleston onde ficou por 133 anos.

A remoção demorou 17 horas para ocorrer, no calor úmido do sul. "Como o racismo, estava profundamente enraizada", disse o prefeito da cidade, John Tecklenburg, à mídia local. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.