O mais novo país do mundo está à beira da guerra civil

ANÁLISE: Max Fisher / Washington Post

O Estado de S.Paulo

25 de dezembro de 2013 | 02h03

Quando, em 9 de julho de 2011, o Sudão do Sul se tornou uma nação independente, isto foi considerado um dos grandes sucessos do mundo. Após muitos anos infelizes como uma região do Sudão, o novo país declarou sua independência com o apoio crucial do mundo exterior, em particular dos Estados Unidos.

Agora, menos de dois anos e meio depois, o Sudão do Sul parece estar à beira de uma guerra civil. Como isso pôde acontecer?

As raízes do conflito no Sudão do Sul vão muito além da independência do país em 2011. E, apesar de todos os conflitos internos serem complicados, este o é de maneira especial. Em termos mais gerais, há três grandes forças por trás do conflito: O Sudão do Sul é muito pobre e subdesenvolvido, e a escassez de recursos naturais tende a fraturar a política e exacerbar conflitos étnicos; as mesmas forças que ajudaram o Sudão do Sul a conquistar a independência - milícias, identidades tribais intensas - também o predispuseram ao conflito atual; mais estritamente, o presidente do país demitiu o vice-presidente, iniciando uma disputa política que pode ter sido o estopim de um barril de pólvora no país.

Examinando cada caso: A pobreza do Sudão do Sul exacerba suas divisões étnicas.

Evidentemente, a pobreza em si não torna um país propenso ao conflito: o problema é quando os recursos são escassos e não há um bom sistema para distribuí-los. Isso força as pessoas a competir por recursos. E essa competição pode causar um alargamento das divisões sociais. No caso do Sudão do Sul, as divisões são étnicas. Ou melhor, elas começaram étnicas e se tornaram políticas.

O país é especialmente suscetível a esse problema porque sua economia é uma mistura muito infeliz de povo pobre, Estado pobre e riqueza em recursos minerais. O Produto Interno Bruto (PIB) per capita do país é de cerca de US$ 1 mil, um dos mais baixos do mundo.

Sua infraestrutura praticamente inexiste, com apenas algumas dezenas de quilômetros de estradas pavimentadas num país do tamanho do estado americano do Texas, Mas o país tem uma quantidade imensa de petróleo. Isso significa que o Sudão do Sul é pobre, mas os indivíduos são estimulados a lutar pelo controle da riqueza mineral, neste caso o petróleo.

Criaram-se assim algumas condições econômicas muito férteis para conflitos internos. Mas a coisa não param por aí.

O caminho do país para a independência também foi o caminho para o conflito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.