REUTERS/Andres Martinez Casares
REUTERS/Andres Martinez Casares

O mistério do Boeing russo em Caracas 

Segundo boatos, Venezuela teria 20 toneladas de ouro prontas para serem embarcadas 

Patricia Laya e Andrew Rosati / Bloomberg, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2019 | 05h00

O deputado José Guerra lançou uma bomba no Twitter, afirmando que o Boeing 777 da Rússia que pousou em Caracas chegou para levar 20 toneladas de ouro dos cofres do Banco Central da Venezuela. A afirmação provocou especulações e indignação. Ao questionarem como teve conhecimento do fato, Guerra não apresentou provas.

Apenas mais um comentário grotesco de um deputado tentando chamar atenção para a crítica situação da Venezuela? Talvez não. Guerra é ex-economista do BC e ainda mantém contato com antigos colegas. Além disso, uma pessoa com conhecimento direto do assunto confirmou que 20 toneladas de ouro haviam sido reservadas para serem embarcadas. Valor total: US$ 8,8 bilhões, 20% dos ativos do metal na Venezuela.

Com Nicolás Maduro perdendo o controle das finanças e das reservas em razão das sanções americanas, a pergunta é quem conseguirá ter acesso ao ouro do país? A Venezuela deve bilhões à Rússia e à China, além dos detentores de títulos públicos, e necessita também de moeda forte para comprar alimentos.

O país tenta há anos aumentar suas reservas em ouro incentivando a mineração e dando ao Exército o controle da exploração. A empresa processadora de ouro, Minerven, funde o metal em barras que são levadas por aviões para bases aéreas em Caracas.

Regularmente, soldados retiram a carga dos aviões e a transferem para veículos blindados que seguem depois para o BC e além.

Na segunda-feira, um avião da Nordwind Airlines, operadora de voos charter russa com sede em Moscou, pousou em Caracas. Questionado ontem, o porta-voz da companhia não quis comentar o assunto.

O ministro venezuelano das Finanças, Simon Zerpa, também se recusou a falar a respeito, afirmando que nenhum avião russo havia pousado na Venezuela. “Vou começar a trazer aviões russos e turcos toda a semana, pois assim todos ficarão assustados”, disse.

“A Nordwind realiza inúmeros voos charter”, disse Oleg Panteleyev, diretor da consultora de aviação Avia Port, com sede em Moscou. “Mas, normalmente, não para a Venezuela.”

O Kremlin tem apoiado Maduro com empréstimos, investimentos e um posto avançado de influência numa região dominada pelos EUA. Mas a Rússia tem se mostrado reticente em comprometer mais capital, especialmente porque a oposição afirma que pode não honrar os compromissos de Maduro. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuela [América do Sul]Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.