'O Ocidente nos abandonou', diz Kadafi

Coronel afirmou ainda: 'Todo o meu povo me ama. Eles morreriam para me proteger'

AE, Agência Estado

28 de fevereiro de 2011 | 16h23

O ditador da Líbia, Muamar Kadafi, insistiu que tem o apoio do povo, em uma entrevista à emissora de televisão norte-americana ABC. Segundo a jornalista Christiane Amanpour postou na rede de microblogs Twitter, o coronel afirmou que "todo o meu povo me ama. Eles morreriam para me proteger".

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise:  Revoluções marcam o o retrocesso da Al-Qaeda

Kadafi também disse que foi abandonado pelo Ocidente e sugeriu que os Estados Unidos desejam ocupar a Líbia. "Eu estou surpreso. Nós temos uma aliança com o Ocidente para combater a Al-Qaeda, e agora que eu estou lutando contra os terroristas, eles nos abandonam", afirmou. "Talvez eles queiram ocupar a Líbia", disse, referindo-se aos EUA. Kadafi insistiu que não é presidente e nem rei, por isso não renunciará.

Amanpour disse que Kadafi, que governa a Líbia há mais de 41 anos, também se recusou a reconhecer que tenham ocorrido manifestações nas ruas de Trípoli contra o regime. Hoje, caças de combate leais a Kadafi bombardearam um depósito de munições na cidade de Ajdabiya, no leste da Líbia, segundo testemunhas. Dois aviões também atacaram um depósito de munições em Rajma, disse um militar da reserva.

 

À rede britânica BBC, Kadafi voltou a dizer que os manifestantes de seu país estão armados e sob a influência de drogas fornecidas pela Al-Qaeda.  Ele disse também que deu ordens a seus apoiadores para que não atirem contra os manifestantes

A brutal repressão do regime de Kadafi à insurgência, que começou há quase duas semanas, já deixou pelo menos mil pessoas mortas e desencadeou uma "emergência humanitária", disse o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur). Segundo o órgão, quase 100 mil trabalhadores estrangeiros fugiram do país.

 

Leia ainda:

documento Entrevista: Quebramos a barreira do medo, diz rebelde

linkDissidente estima que 98% dos militares desertaram

linkLíbios traçam tática de guerrilha para''batalha de Trípoli''

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaprotestosKadafiEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.