Imagem Adriana Carranca
Colunista
Adriana Carranca
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O papa missionário

O papa Francisco causou furor novamente ao se pronunciar favorável à contracepção para prevenir a disseminação do vírus zika. O pontífice falou aos jornalistas após viagem de seis dias ao México, onde atraiu mais de 200 mil pessoas a uma missa campal em Ciudad Juárez, na conturbada fronteira com os EUA. Primeiro papa jesuíta e não europeu em mais de 1.200 anos, ele tem surpreendido o mundo com respostas francas, aparentemente revolucionárias, sobre temas sensíveis. Seis meses após assumir a liderança de 1,2 bilhão de fiéis, Francisco criticou a "obsessão" do Vaticano com aborto, casamento gay e contracepção, voltando-se para a defesa dos pobres. Criticou o sistema financeiro, cobrou ações dos governos contra o aquecimento global, fez apelos em favor dos refugiados.

Adriana Carranca, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2016 | 04h32

Francisco é, sem dúvida, um pontífice popular e carismático. Mas a revolução que propõe não reflete ruptura com os dogmas da Igreja, como muitos acreditam. Ao contrário disso, ele age exatamente como esperava o Vaticano.

Quando Bento XVI saiu de cena, o colégio de cardeais tinha consciência de que precisava de uma nova celebridade, como João Paulo II, para recuperar o carisma da Igreja. Alguém ao mesmo tempo encantador, capaz de reaproximar a Igreja do povo e atrair as massas de fiéis e politicamente hábil.

Em um discurso de apenas quatro minutos à Congregação Geral, no processo de escolha de um novo chefe para a Igreja Católica, o então cardeal Bergoglio emergiu como a resposta para tais desafios. Ao contrário dos demais, que se concentraram em discutir doutrinas ou questões internas, Bergoglio falou sobre o futuro da Igreja diante do recente declínio. O catolicismo romano, ele disse, precisava abrir-se para o mundo além dos muros do Vaticano e "evangelizar". Ele oferecia uma nova narrativa: a de uma "igreja para todos".

Francisco é essencialmente um missionário. Seus discursos não rompem com a Igreja. Revelam apenas uma tentativa de adaptá-la à realidade, sem fazer grandes reformas. No Brasil, onde está a maior população católica do mundo, 79% das mulheres usaram método contraceptivo no ano passado, segundo a ONU, e o número de separações e de uniões consensuais, sem recorrer ao casamento civil ou à igreja, aumentaram segundo o último censo. Ao adequar o discurso a essa realidade, ele vislumbra atrair de volta milhões de fiéis. Mas continua sendo um conservador. Considera o aborto um "crime" e a contracepção "pecado", exceto em certos casos.

O que Francisco tem feito de mais revolucionário são as mudanças internas, como dar maior transparência no banco do Vaticano e lidar com os crimes de pedofilia. Mas isso também passa por uma tentativa de resgatar a imagem da Igreja e atrair fiéis. O papa é um evangelista, não um reformista, que tenta salvar a Igreja da derrocada. "Evangelizar é nossa revolução", disse em julho, no Equador.

 

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.