AP Photo/Brynn Anderson
AP Photo/Brynn Anderson

O projeto de 10 anos de uma política para transformar a Geórgia em um Estado democrata

Stacey Abrams passou uma década construindo uma infraestrutura no local, como a estratégia de aumentar a participação entre os eleitores negros, latinos e asiáticos

Reid Epstein e Astead Herndon, The New York Times, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2021 | 15h13

À medida que os democratas se aproximam de tomar dos republicanos as duas cadeiras da Geórgia no Senado, o crédito começou a fluir para uma pessoa amplamente reconhecida como a maior responsável pelo novo status da Geórgia como Estado democrata: Stacey Abrams.

Abrams, ex-líder da minoria da Câmara do Estado da Geórgia, passou uma década construindo uma infraestrutura política democrata no Estado, primeiro com seu New Georgia Project (Novo Projeto Geórgia) e agora com a Fair Fight (Luta Justa), a organização de direitos de voto que ela fundou após perder a campanha para governador em 2018.

Na noite de terça-feira, Abrams esteve perto de declarar vitória em um tweet que elogiou os milhares de "organizadores, voluntários, cabos eleitorais e grupos incansáveis" que ajudaram a reconstruir o Partido Democrata no Estado desde o colapso político de quando ela se tornou a líder da minoria na Câmara estadual em 2011.

Embora seja amplamente esperado que Abrams concorra a governadora novamente em 2022, ela é, no momento, uma das políticas americanas mais influentes a não ocupar cargos eletivos. 

Foi sua infraestrutura política e estratégia de aumentar a participação entre os eleitores negros, latinos e asiáticos do Estado que lançou as bases para a vitória do presidente eleito Joe Biden em novembro e o desempenho dos democratas nas disputas para o Senado. 

Abrams não estava sozinho na Geórgia, é claro: várias outras mulheres negras lideraram um esforço de organização de décadas para transformar o eleitorado do estado.

“Não ficamos surpresos que a Geórgia ficou democrata, porque trabalhamos nisso há mais de 15 anos”, disse Deborah Scott, fundadora do Georgia Stand Up (Levante-se, Geórgia), após a vitória de Biden nas eleições gerais.

“Tem sido uma batalha difícil”, disse Felicia Davis, uma organizadora de longa data no Condado de Clayton. “Porque aqui, não somos apenas mulheres, somos mulheres do sul. E não somos apenas mulheres do sul, somos mulheres negras do sul.”

Ainda assim, Abrams foi o rosto mais visível na vanguarda das ações do Partido no Estado. E quando chegou a hora de fazer uma propaganda de TV pedindo aos moradores da Geórgia que confirmassem o status de suas cédulas de ausentes - os eleitores têm até sexta-feira para corrigir as cédulas de ausentes que contêm pequenos erros - ela apareceu no anúncio lembrando-os de como fazer isso.

"Não espere", disse ela. “Seu voto tem o poder de determinar o futuro da Geórgia e de nosso país. É hora de garantir que sua voz seja ouvida.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.