AP Photo/Francesco Malavolta
AP Photo/Francesco Malavolta

Mães polonesas deixam carrinhos de bebê em estações de trem para refugiadas ucranianas

Carrinhos são necessários porque as mães ucranianas chegam da Ucrânia apenas com as roupas do corpo e as crianças nos braços.

Monica Hesse, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2022 | 20h00

Mais de um milhão de refugiados ucranianos chegaram à vizinha Polônia, a maioria mulheres e crianças. Quando as mães polonesas souberam disso, ao que parece, elas foram às estações ferroviárias e às passagens de fronteira onde os refugiados estavam chegando e começaram a deixar carrinhos de bebê.

Um fotojornalista que cobria o conflito tirou uma foto de sete deles vazios, esperando na estação Przemysl Glowny. Em outras imagens de outras estações, os carrinhos estão cheios de cobertores e itens necessários para bebês. Alguns carrinhos parecem mais novos e alguns têm um desalinhamento de pneus carecas - esses carrinhos viram alguns quilômetros, carregaram algumas pernas jovens exaustas.

Os carrinhos nas plataformas de trem na Polônia são necessários porque as mães ucranianas chegaram à Polônia apenas com as roupas do corpo e as crianças nos braços. Os trens ou ônibus que os retiraram do país estavam lotados demais para essas mulheres trazerem seus próprios carrinhos, talvez, ou talvez as mulheres fossem forçadas a sair rápido demais para ter tempo de buscá-los.

Ou talvez seja isso: se você é uma mãe ucraniana, talvez quando um dispositivo explosivo transforma seu bairro em escombros, quando você vê seus concidadãos caídos na rua, quando você aprende exatamente como cheiram as explosões de munição - talvez quando isso acontece, seu instinto é agarrar seu bebê e segurá-lo perto de seu próprio corpo enquanto você corre para salvar sua vida, não empurrá-lo em um carrinho de bebê.

Os carrinhos nas plataformas de trem na Polônia são um símbolo do que as mulheres sabem sobre a guerra e seu lugar nela. Essas mães ucranianas chegaram sem maridos ou parceiros porque os homens da Ucrânia, com idades entre 18 e 60 anos, estão proibidos de sair. Os homens vão ficar para lutar no exército. Isso é o que os homens sempre fizeram nas guerras: eles lutaram e morreram.

Violência contra mulheres na guerra

As mulheres na guerra foram forçadas a fugir, ou a se esconder, ou foram estupradas, ou fugiram e se esconderam e depois foram estupradas. Seus corpos tornaram-se territórios nos quais as batalhas são travadas. Elas têm sido as protetoras da família; elas foram condenadas a manter as crianças seguras usando apenas esses corpos como armadura.

 

Os carrinhos nas plataformas de trem na Polônia são os artefatos de guerra sobre os quais não falamos. Eles não são os tipos de suprimentos mencionados quando o presidente ucraniano faz uma ligação pelo Zoom com representantes do Congresso americano para implorar por ajuda militar; eles não são negociados na linguagem de sanções e artilharia.

Normalmente, os líderes que iniciam e terminam as guerras não estão em condições de entender que os carrinhos de bebê também são suprimentos de guerra. Ainda assim, mães saberiam pedir por isso. Toda mãe saberia.

Mães subterrâneas

Numa maternidade em Kiev, os médicos transferiram suas pacientes grávidas para um bunker subterrâneo. Lá, futuras mães trabalhavam em corredores escuros enquanto a cidade acima delas explodia. As mulheres deram à luz aos recém-nascidos por cesariana e foram imediatamente “corridas da enfermaria para as passagens subterrâneas”, segundo a Reuters, “para protegê-las do bombardeio”.

Em Zhytomyr, em outra maternidade improvisada, o choque de uma explosão próxima fez com que uma mulher entrasse em trabalho de parto enquanto se espremia aterrorizada com as outras pacientes.

Em um hospital de Kharkiv, novas mães embalavam seus bebês em um quarto onde colchões estavam empilhados contra as janelas como proteção contra estilhaços.

Famílias nesses hospitais disseram a repórteres que, por mais aterrorizante que fosse dar à luz em um hospital bombardeado, elas estavam ainda mais com medo do que viria a seguir. Para onde iriam? Para onde levariam seus novos bebês e onde criariam suas novas famílias?

Solidariedade na fronteira

Enquanto se preocupavam com isso, mulheres na Polônia estavam saindo de casa empurrando carrinhos de bebê. Essas mulheres polonesas estavam pensando na guerra, mas não apenas em termos de que tipo de armas ou bombas o presidente russo Vladimir Putin tinha, ou quem poderia defender o espaço aéreo ucraniano, e como a Ucrânia precisa de pilotos e os pilotos precisam de aviões de guerra.

Elas também estavam pensando na maneira como um bebê pode fazer de um carrinho uma cama. Elas estavam pensando em como o zumbido de um carrinho de bebê em movimento pode fazer um bebê parar de chorar e fazer sua cabeça se inclinar pesadamente contra o nylon impermeável até que adormeça e sua respiração saia suave como um sussurro. Elas estavam pensando nas mães da Ucrânia. O fato de terem viajado tão longe, e seus filhos estarem tão pesados, e seus braços estarem tão cansados.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.