Olivier Morin/AFP
Olivier Morin/AFP

O que é Anom e como a polícia o usou para prender centenas de criminosos?

Aplicativo de mensagens encriptadas comprometeu grupos Triad na Ásia, cartéis de drogas sul-americanos e laboratórios clandestinos na Austrália

Antonia Noori Farzan e Adam Taylor, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2021 | 05h00

WASHINGTON - Oficiais da lei em todo o mundo anunciaram nesta terça-feira, 8, que conseguiram enganar centenas de supostos criminosos a usar o aplicativo de mensagens encriptadas Anom, secretamente controlado pelo FBI.

O serviço de investigação americano se uniu à polícia australiana e a uma série de agências europeias de aplicação da lei em um esforço audacioso para dar aos oficiais uma visão secreta de supostas empresas criminosas globais.

Aqui está o que sabemos sobre o caso:

O que é Anom?

Para usuários, ele parecia ser um aplicativo desenvolvido para possibilitar uma comunicação livre de monitoramentos. Como o WhatsApp ou as mensagens de texto, ele permitia conversas com textos, fotos e vídeos, mas, ao contrário deles, parecia ter sido desenhado para uso ilícito. 

Oficiais da lei disseram que usuários migraram para o app após outros serviços de mensagens encriptadas, como o EncroChat, serem desativados por autoridades. Anom veio pré-instalado, com funcionalidades limitadas, em celulares comercializados no mercado ilegal. 

Ele se tornou popular. Embora contratos de quase seis meses pudessem custar mais de US$ 2 mil, haviam quase 12 mil celulares com o Anom instalado, informam documentos do FBI. Para comprar o aplicativo, era necessário receber aprovação de um usuário ativo, informaram os oficiais, o que fazia com que novos e antigos usuários se sentissem seguros.

Mas o aplicativo era um estratagema inventado por funcionários australianos e americanos em 2018. Embora as mensagens fossem criptografadas, o FBI e outras agências de aplicação da lei construíram uma chave mestra para o sistema, o que significa que os funcionários poderiam descriptografar e armazenar qualquer mensagem enviada sem o conhecimento do usuário.

O FBI chamou o plano de Operação Escudo de Tróia e a polícia australiana o chamou de Operação Especial Ironside.

Quem foi preso?

Embora o Anom estivesse disponível inicialmente em apenas um número limitado de países, ele acabou se espalhando. O FBI disse em um arquivamento na terça-feira que ele estava em uso em 90 países, com a maioria dos usuários encontrados na Alemanha, Holanda, Espanha, Austrália e Sérvia.

Policiais disseram na terça-feira que uma coalizão internacional prendeu mais de 800 pessoas e obteve informações sobre blocos criminosos tão diversos quanto cartéis de drogas sul-americanos e grupos Triad na Ásia.

Uma das maiores operações foi na Austrália, onde 224 pessoas foram presas por 525 acusações. A polícia também disse que fechou seis laboratórios clandestinos e agiu sob 21 ameaças de morte, incluindo uma que salvou uma família de cinco pessoas.

O que foi apreendido?

Ao anunciar a operação na terça-feira, as autoridades apontaram para os bens ilícitos e outros itens que foram apreendidos como resultado da armação.

Funcionários da Europol, a agência policial europeia, disseram em um comunicado que as batidas em todo o mundo levaram à “apreensão de mais de 8 toneladas de cocaína, 22 toneladas de cannabis e resina de cannabis, 2 toneladas de drogas sintéticas (anfetaminas e metanfetamina), 6 toneladas de precursores de drogas sintéticas, 250 armas de fogo, 55 veículos de luxo e mais de US $ 48 milhões em várias moedas e criptomoedas em todo o mundo ”.

O comunicado também disse que “inúmeras operações de spin-off serão realizadas nas próximas semanas”.

Fotos divulgadas por agências de aplicação da lei mostraram grandes maços de dinheiro, revólveres e rifles com miras de longo alcance e um carro esporte McLaren.

Como o submundo pode reagir?

“Haverá represálias, haverá dívidas, haverá conflito”, disse David Hudson, vice-comissário de investigações e contraterrorismo da Polícia Federal Australiana, a repórteres na terça-feira.

Enquanto monitorava o aplicativo, a polícia descobriu que supostos criminosos estavam fazendo negócios nas costas uns dos outros. E na esteira das prisões em massa, alertaram as autoridades, outros grupos criminosos podem surgir para preencher o vácuo.

A Polícia Federal australiana reforçou sua unidade de crimes graves e divisão de gangues na preparação para essa possibilidade, disse Hudson.

Quem é Hakan Ayik, o fugitivo australiano que deu aos investigadores sua grande chance?

Um dos criminosos mais procurados da Austrália, Hakan Ayik fugiu do país há mais de uma década e é suspeito de ser um narcotraficante de alto escalão que continua controlando o fluxo de importações da Turquia.

Ayik ainda não foi preso, mas autoridades disseram na terça-feira que policiais disfarçados conseguiram induzi-lo a se tornar um dos primeiros a adotar o aplicativo e promovê-lo para outras pessoas em sua rede.

“Ele basicamente ‘armou’ para os seus próprios colegas”, disse o comissário da Polícia Federal Australiana, Reece Kershaw, instando Ayik a se entregar antes que ele ou sua família se tornem alvos por causa de seu papel involuntário no esquema.

No início deste mês, o Sydney Morning Herald relatou que Ayik parecia levar um estilo de vida luxuoso em Istambul e que fontes da lei acreditavam que ele poderia ter feito cirurgia plástica para ser menos reconhecível. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.