Osservatore Romano/Efe
Osservatore Romano/Efe

'O que faz um papa?', pergunta Fidel Castro a Bento XVI

Líder cubano consultou o papa sobre a missão dele frente à Igreja Católica e ambos brincaram sobre as idades avançadas

Reuters,

28 Março 2012 | 18h43

HAVANA - Bento XVI e Fidel Castro se reuniram nesta quarta-feira, 28, e tiveram uma conversa descontraída, na qual o líder cubano consultou o papa sobre a missão dele frente à Igreja Católica. Além disso, ambos brincaram sobre as idades avançadas e falaram sobre os problemas atuais que atingem a humanidade.

 

Veja também:

linkPapa termina visita a Cuba com dura mensagem e reunião com Fidel Castro

linkPapa reforça papel mediador da igreja em Cuba

linkVÍDEO: Cordialidade marca encontro do Papa com Raul Castro

 

A reunião, descrita como "serena e cordial", fez parte de uma viagem de três dia do Pontífice à ilha, em um chamado aos cubanos para renovar a fé e construir uma nova sociedade mais justa e aberta com a ajuda da Igreja Católica, depois de cinco décadas de socialismo.

 

Vestido com uma camisa e uma jaqueta esportiva preta, o líder cubano cobriu o papa de perguntas durante os 30 minutos que durou a conversa, de acordo com o porta-voz do Vaticano, Frederico Lombardi.

 

"O que faz um papa?", consultou o carismático líder, que desde 2006 vem delegando suas funções no Governo gradualmente ao irmão menor Raúl, renunciando formalmente dois anos depois por motivos de saúde.

 

O porta-voz Lombardi disse que o religioso falou sobre os problemas que enfrenta diariamente com a relação entre fé e razão, liberdade e responsabilidade.

 

Fidel, que também recebeu o falecido papa João Paulo II já 14 anos, perguntou sobre as mudanças na liturgia católica. Além disso, pediu alguns livros para preparar "reflexões" em colunas que publica regularmente na imprensa estatal sobre assuntos internacionais. O religioso concordou e disse que pensaria em quais títulos poderia indicar a ele.

 

Os líderes também falaram sobre os problemas que atingem a humanidade, como a crise ecológica e cultural, assim como a incapacidade da ciência de dar resposta a todas as questões do futuro. Nas fotos oficiais, ambos aparecem sorridentes.

 

Também tiveram tempo de brincar sobre as idades avançadas de ambos, já que Fidel tem 85 anos, um a mais que o líder católico. "Sim, sou ancião", disse papa, segundo a explicação de Lombardi. "Mas pude realizar meu dever".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.