Tamir Kalifa/AP
Tamir Kalifa/AP

O que pode aparecer de fake news no dia da eleição nos EUA? Veja algumas opções

Em tempos de eleição presidencial, informações falsas circulam nas redes sociais

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2020 | 19h13

Em tempos de eleição presidencial, informações falsas circulam nas redes sociais. Pensando em esclarecer algumas notícias, o 'The New York Times' compilou alguns desses fatos.

Cédulas não estão sendo jogadas fora

Reivindicação: Há fotos de cédulas sendo jogadas fora, o que provaria problemas com votação por correspondência na Califórnia.

Fato: As fotos mostram envelopes velhos e vazios das eleições de meio de mandato de novembro de 2018 que foram descartados após a contagem dos votos.

Contexto: As imagens têm circulado nos últimos meses para apoiar as afirmações feitas pelo presidente Donald Trump de que a votação pelo correio, que deve quase dobrar por causa da pandemia, aumentará a fraude eleitoral. Republicanos no Congresso, bem como veículos de direita, compartilharam as fotos.

As pessoas não votam mais de uma vez

Reivindicação: As pessoas estão lançando votos múltiplos usando cédulas de correio ou votos de ausentes.

Fato: Os especialistas eleitorais calcularam que, em um período de 20 anos, a fraude envolvendo cédulas enviadas pelo correio afetou 0,00006% dos votos, ou um caso por Estado a cada seis ou sete anos.

Histórico: Vários posts virais no Twitter alegaram que as cédulas não podem ser "verificadas" ou já foram lançadas. Além disso, Trump, que tem atacado repetidamente os esforços do Estado para expandir a votação pelo correio, disse falsamente que as cédulas pelo correio são "perigosas", "inconstitucionais", "uma farsa" ou repletas de "fraude".

De acordo com a Conferência Nacional de Legislaturas Estaduais, as cédulas pelo correio são o "padrão ouro de segurança eleitoral". Na maioria dos Estados, os eleitores registrados precisam se candidatar para votar por meio de uma cédula ausente ou pelo correio. Em nove Estados e em Washington, D.C., os eleitores registrados recebem cédulas automaticamente pelo correio.

Em todos os Estados, os funcionários eleitorais implementaram sistemas para garantir que cada eleitor possa votar apenas uma vez e não possa devolver cédulas múltiplas ou colocar cédulas múltiplas no mesmo envelope.

Para Entender

Os Estados que decidem a eleição americana

Estadã viajou a dez regiões que definirão o próximo presidente dos Estados Unidos para entender o que pode dar a vitória a Joe Biden ou a Donald Trump

Não há novas opções de votação online

Reivindicação: As pessoas podem votar por mensagem de texto, e-mail ou em um site estatal.

Fato: Exceto por uma pequena quantidade de eleitores ausentes e militares no exterior, nenhum Estado permite que os americanos votem por e-mail, site ou mensagem de texto.

Contexto: Em 2016 e 2018, postagens no Facebook, Twitter e outros sites de mídia social alegaram que os eleitores poderiam votar por meio de sites recém-formados ou por meio de serviços de mensagens de texto.

Facebook, Twitter e Google removem postagens que enganam os eleitores sobre como, quando ou onde eles podem votar. No entanto, há preocupações de que este ano algumas dessas reivindicações tenham circulado por meio de aplicativos de mensagens criptografadas, que não podem ser monitorados facilmente.

As máquinas de votação não estão com defeito

Reivindicação: As máquinas de votação estão com defeito e fazendo com que os votos sejam registrados incorretamente.

Fato: Urnas eletrônicas com mau funcionamento são descartadas a cada ciclo eleitoral na maioria dos Estados. Os erros são na maioria das vezes devido a erros dos próprios usuários.

Contexto: Os vídeos de circulação frequente pretendem mostrar as máquinas com mau funcionamento ou recusando-se a permitir que as pessoas votem em um determinado candidato. Um vídeo de 2016 filmado por uma mulher na Pensilvânia e postado no Twitter afirmava que uma máquina de votação não estava permitindo que ela votasse em Trump. O vídeo, que deve ressurgir este ano, foi fornecido como prova de que as máquinas foram manipuladas. Mas, como relatou o ProPublica, o problema com a máquina era um erro do usuário.

Autoridades eleitorais disseram que pode haver relatos precisos de problemas com as urnas eletrônicas. Esses problemas podem ser agravados pelo mau tempo, como ondas de calor ou alta umidade, ou quedas de energia.

Este ano, por causa da pandemia, as autoridades esperam que muitas pessoas usem desinfetante para as mãos antes de pegar nas cédulas ou tocar nas urnas. O desinfetante para as mãos pode acumular durante o dia e pode causar o mau funcionamento de mais máquinas. Máquinas com defeito seriam removidas e os eleitores podem garantir que seus votos sejam expressos corretamente, solicitando um registro em papel após terem votado. / NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.