Kevin Lamarque/Reuters e Brendan Smialowski/AFP
Kevin Lamarque/Reuters e Brendan Smialowski/AFP

O que se sabe sobre a apuração dos votos na eleição dos EUA até agora

Site americano Vox aponta quais são os principais lugares para manter a atenção; maioria dos Estados-chave ainda está sem resultado definido

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2020 | 14h00

Até a tarde desta quarta-feira, 4, nem Joe Biden nem Donald Trump conquistaram os 270 votos eleitorais necessários para alcançar a presidência dos Estados Unidos. Vários Estados decisivos importantes não foram vencidos por nenhum dos candidatos e a ansiedade toma o certame.

Após uma disputa parelha por toda a noite da terça-feira 3, ambos os candidatos tentam projetar cenários para vencer uma eleição com novos desafios. Foram quase 64 milhões de cédulas enviadas por correio antes do dia da eleição, um recorde que certamente tornará a contagem de votos mais complicada neste ano, em um país tomado pela pandemia de covid-19

Para Entender

Os Estados que decidem a eleição americana

Estadã viajou a dez regiões que definirão o próximo presidente dos Estados Unidos para entender o que pode dar a vitória a Joe Biden ou a Donald Trump

 O site americano Vox elencou alguns fatores para se atentar nesta reta decisiva.

Trump tem se saído bem nos Estados de triunfo obrigatório até agora, mas alguns ainda não foram vencidos

Biden teve um desempenho significativamente mais fraco que Hillary Clinton na Flórida no condado de Miami-Dade, altamente latino. Embora esta tenha sido uma vitória importante para o presidente, é realmente um Estado que ele tem de vencer - um que é necessário, mas não suficiente, para a vitória. Biden poderia se dar o luxo de perdê-lo. O mesmo vale para Ohio e Texas. Trump tinha de vencer os dois, e ele ganhou.

Os outros Estados que devem ser vencidos por Trump, que as pesquisas indicaram que estavam próximos, são Carolina do Norte e Geórgia. Ambos os Estados, notavelmente, tiveram uma vantagem inicial no processamento de cédulas pelo correio, de modo que muitos deles puderam ser contados rapidamente na noite da eleição. Ainda assim, eles ainda não foram definidos. Trump pode ter uma vantagem, é preciso esperar que mais votos sejam contados para saber com certeza.

O caminho mais plausível de Biden para a vitória ainda é Michigan, Wisconsin e Pensilvânia

O caminho mais possível para a vitória de Joe Biden não dependia de nenhum desses Estados. Em vez disso, passou por alguma combinação de Michigan, Wisconsin e Pensilvânia. A Vox aponta que o problema é que esses Estados serão particularmente lentos para contar cédulas de correio (porque os legisladores republicanos não permitiriam que essas cédulas fossem processadas semanas antes, como acontece na maioria dos outros Estados indecisos).

Na noite de terça-feira, Trump liderou a contagem em todos esses três Estados, mas isso sempre foi esperado, já que a contagem é principalmente do voto pessoal do dia da eleição. Esperava-se que o desempenho de Biden melhorasse bastante à medida que mais cédulas de correio eram contadas lentamente. Na verdade, Biden já assumiu a liderança em Michigan e Wisconsin.

Se Biden se mantiver em Michigan, Wisconsin e Pensilvânia - e evitar algumas perdas completamente inesperadas em outros lugares - Biden teria mais do que 270 votos eleitorais de que precisa para vencer e não precisaria dos outros Estados.

Se Biden não vencer na Pensilvânia, algumas outras disputas importantes entram em cena

Se Trump conseguir arrancar Michigan, Wisconsin e Pensilvânia de Biden, ele terá uma vitória bastante clara, como fez em 2016. Mas isso parece menos provável à medida que mais votos desses Estados são contados. Se Trump vencer apenas a Pensilvânia, algumas outras disputas importantes podem decidir o resultado da eleição.

Crucial para Biden aqui seria vencer Arizona e Nevada, ainda sem resultado definido. O democrata está atualmente à frente em ambos os Estados por margens baixas de um dígito.

Finalmente, existem os dois Estados excêntricos que atribuem alguns de seus votos eleitorais ao vencedor em cada distrito eleitoral, em vez de entregá-los todos ao vencedor em todo o Estado. Dois distritos nesses Estados são competitivos: o Segundo Distrito Congressional de Maine (ainda sem resultado definido) e o Segundo Distrito Congressional de Nebraska (vitória para Biden prevista pela Vox). Eles têm um voto eleitoral cada.

Ainda há uma ampla variedade de possíveis resultados - de uma vitória para Biden ou Trump, uma batalha de recontagem ou um empate de 269-269.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.