Imagem Gilles Lapouge
Colunista
Gilles Lapouge
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O que sobrou da Europa?

PARIS - Em que se transformou a bela, elegante Europa, projetada, alguns anos após os massacres de 1939 a 1945, por alemães, franceses, italianos, luxemburgueses, belgas e holandeses impacientes para poder enfim viver na paz e no amor? Parecia um milagre. A Europa era uma jovem e girava seu vestido leve e se afirmava que ela poria fim a mil anos de guerras, ódio e fronteiras. Os "velhos", aqueles que viveram a fundo a história, podiam continuar se detestando, mas os jovens estavam decididos a dançar juntos.

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

20 Maio 2014 | 02h08

A "nova Europa" de 1960 transformou-se numa velha Europa, resmungona, desconfiada, avara, repleta de cercas de arame farpado, regras e caminhos interditados. De quinta a domingo, os cidadãos dos 28 países da União Europeia escolherão deputados. E já podemos anunciar o perdedor.

A multidão de inimigos da Europa não para de aumentar. O projeto europeu é desdenhado por mais da metade dos franceses - 63% estimam que a Europa é um "desperdício de dinheiro do contribuinte". A Grã-Bretanha é um ninho de antieuropeus. Mesmo a Alemanha, que obtém benefícios gigantescos da nova edificação europeia, começa a ficar farta.

Um curioso paradoxo acompanha esse forte "desamor". Na França, sobretudo, mas praticamente em todos os lugares, os grandes partidos políticos de governo e também a grande maioria da classe política continuam ligados à Europa. Assim, os dois grandes partidos que dirigem o país desde o fim da guerra, a direita (UMP) e a esquerda (os socialistas), continuam partidários da União Europeia.

É um espetáculo bizarro: os socialistas (neste momento no poder com François Hollande) e a direita se insultam o tempo. Mas concordam num ponto: a União Europeia é uma boa coisa. Onde estão esses numerosos franceses que manifestam aversão pela construção europeia? A resposta é simples: eles estão ligados a partidos até agora afastados do poder. Em particular o xenófobo e quase fascista Frente Nacional, dirigido por Marine Le Pen e que, segundo as previsões, deve chegar em primeiro lugar na votação, derrotando ao mesmo tempo a direita clássica UMP) e os socialistas.

Igualmente hostis à Europa e ao euro está a extrema esquerda, que deverá obter em torno de 10% dos votos, e alguns outros pequenos partidos, comunistas ou trotskistas e alguns gaullistas (nostálgicos do general de Gaulle, que colocava a pátria e a nação acima de tudo).

Assim a estrutura europeia está em vias de alterar drasticamente o equilíbrio tradicional do jogo político francês. Ela destruiu as antigas estruturas políticas (o Partido Socialista, a direita bem educada do UMP) para fazer o vento soprar na direção das formações extremistas, xenófobas e nocivas.

*Gilles Lapouge é colunista em Paris.

TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Mais conteúdo sobre:
Gilles Lapouge

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.