Imagem Mac Margolis
Colunista
Mac Margolis
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O santo forte da Colômbia

Uma estrela sobe no firmamento das Américas e não é a de Barack Obama, nem a do papa Francisco. O astro da hora é Juan Manuel Santos. Há três anos no cargo, o presidente colombiano governa um país em raro momento de paz, estabilidade e projeção internacional. Tem o aval da maioria do exigente eleitorado e dificilmente deixará de se reeleger no ano que vem.

MAC MARGOLIS, O Estado de S.Paulo

02 Junho 2013 | 02h06

O receituário "santista" nada tem de populismo barato ou de arroubos ideológicos. É a humildade fiscal combinada com o oportunismo político, na mão de quem sabe ocupar espaços e evitar as atoleiros em um mundo em transição. Com o quinto PIB latino-americano, a economia colombiana já desbancou a da Argentina. Os investidores estrangeiros derramam dinheiro na indústria mineral e petroleira.

A prosperidade segue no rastro da paz. Os índices de violência caíram. Até a guerrilha parece cooperar. Semana passada, o governo de Santos anunciou o primeiro passo para o fim do conflito com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que infernizam o país há meio século.

Sucesso. O acordo, firmado em Havana, Cuba, é parcial e trata apenas das regras da distribuição de terras nas zonas em conflito. As Farc ainda não entregaram as armas. Entretanto, aos 49 anos, a guerrilha está sem lastro popular e dá claríssimos sinais de cansaço.

Santos não criou sozinho o bom momento colombiano. Foi eleito há três anos com uma mistura de aplauso comedido e franco ceticismo. Novato na política, ele deve sua eleição ao antecessor, Álvaro Uribe, que ergueu a muralha da renascença.

A contragosto do nacionalismo latino-americano, ele aceitou US$ 7 bilhões em ajuda bélica e moral de Washington e botou a guerrilha para correr. As fileiras das Farc definharam, recuaram mata adentro e enterraram no caminho meia dúzia de comandantes.

Implacável, Uribe colheu louros e inimigos. Ambicioso, fracassou na tentativa de mudar a Constituição e ganhar um terceiro mandato. Resignou-se com o papel de padrinho e emplacou seu sucessor, o inexperiente Santos.

Como ministro da Fazenda e depois da Defesa, Santos ajudou a executar a ofensiva uribista. Herdou a paz que levou ao boom econômico, mas soube evitar o radicalismo do chefe que fez de Uribe um Dom Quixote das Américas.

Jogador, Santos estendeu a mão para Hugo Chávez na tentativa de encerrar a danosa guerra fria entre os dois vizinhos. Seu patrono tachou-o de traidor. Santos ainda lançou a Colômbia rumo a uma arriscada diplomacia de resultados, com sua reputação em jogo e dividendos ainda desconhecidos.

Acerto. Até o momento, acertou em cheio. Uma das garantias de que Santos está no caminho certo é a sua crítica bipolar. De um lado, apanha de Uribe, que atira contra Santos com sua conta no Twitter como bombardeava os guerrilheiros com helicópteros Black Hawk. Ingênuo, irresponsável e entreguista são alguns dos salvos uribistas contra o seu sucessor.

De outro lado, colhe a fúria da ala bolivariana do continente. Semana passada, após a visita a Bogotá do líder oposicionista venezuelano, Henrique Capriles, o presidente Nicolás Maduro acusou Santos de "meter uma punhalada nas costas da Venezuela".

De ultraje a ultraje, Santos navega bem. E ainda aproveita as oportunidades perdidas na acidentada política internacional. No novo Mercosul companheiro, o abraço à Venezuela preteriu as trocas econômicas do bloco, que recuaram 9% em 2012. Já na Aliança do Pacífico, o mais recente pacto latino-americano, o comércio aumentou 1,3% no ano passado. Nada mal em um momento em que a economia global patina. O líder do bloco? A Colômbia, é claro.

Santos quer mais e já projeta a Aliança do Pacífico como o novo motor de crescimento para as Américas. Ainda é uma aposta, assim como é a diplomacia de resultados de Bogotá e como também é a arriscada negociação com as Farc. No entanto, é a melhor jogada no momento na América Latina.

* É COLUNISTA DO ESTADO, CORRESPONDENTE DA REVISTA NEWSWEEK, EDITA O SITE WWW.BRAZILINFOCUS.COM

Mais conteúdo sobre:
MAC MARGOLIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.