O sincero pedido de desculpas da Sérvia

O sincero pedido de desculpas da Sérvia

Céticos devem entender que o reconhecimento pelo Parlamento sérvio do massacre de Srebrenica, quando 8 mil bósnios foram mortos, em 1995, é um avanço significativo

Tim Judah, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2010 | 00h00

THE NEW YORK TIMES

Há uma semana, o Parlamento sérvio aprovou uma resolução condenando o massacre de aproximadamente 8 mil homens e meninos bósnios muçulmanos de Srebrenica em julho de 1995, pouco após a conquista da cidade por forças servo-bósnias.

Mas as reações à resolução têm sido surpreendentemente vulgares e cínicas. Alguns - em especial os bósnios muçulmanos, mas não apenas eles - se queixaram de que a resolução nada valia por mencionar apenas um "crime" e uma "tragédia", sem falar em "genocídio". Outros dizem que o governo da Sérvia pressionou por sua aprovação apenas porque quer contar com opiniões favoráveis na União Europeia, à qual o país quer desesperadamente se juntar.

Tais respostas, entretanto, não correspondem às profundas divisões no Parlamento e no público da Sérvia, entre aqueles que apoiam a resolução e aqueles que negam toda a responsabilidade pelo massacre. De fato, na Sérvia tanto quanto em qualquer outro lugar, a política é a arte do possível. E o simples fato de a resolução ter sido proposta já é um avanço em si.

O massacre de Srebrenica foi o pior crime da guerra da Bósnia - na verdade, o pior crime de guerra cometido na Europa desde 1945. Foi também um dos atos finais do conflito; quatro meses mais tarde, os líderes exaustos de muçulmanos, sérvios e croatas foram levados a uma base aérea em Dayton, Ohio, onde assinaram um tratado encerrando os combates. A Bósnia ainda é um país profundamente dividido e disfuncional, mas a paz foi mantida.

A resolução é mais um passo na tentativa de encerrar o caso de Srebrenica. Com exceção de duas pessoas - Ratko Mladic, comandante das forças bósnias sérvias durante a guerra, e Goran Hadzic, um líder de sérvios rebeldes da Croácia -, todos os indiciados pelo Tribunal Penal das Nações Unidas para a ex-Iugoslávia tiveram de enfrentar a Justiça em Haia, incluindo aqueles que perpetraram o massacre.

Além disso, o tribunal definiu o massacre de Srebrenica como genocídio. Em 2007, a Corte Internacional de Justiça concordou - apesar de ter evitado culpar a Sérvia, dizendo que a responsabilidade de Belgrado estava em não ter evitado as mortes provocadas pelas forças servo-bósnias que apoiava e às quais fornecia suprimentos.

A ideia de aprovar uma resolução no Parlamento sérvio sobre Srebrenica não é nova, assim como não o é a ideia de reconhecer o massacre. Cinco anos atrás, o presidente sérvio, Boris Tadic, foi a Srebrenica para prestar homenagem às vítimas. Ele não assumiu responsabilidade pelas mortes em nome da Sérvia, mas ainda assim sua visita foi um gesto corajoso: muitos outros sérvios negam que um terrível crime tenha sido cometido em seu nome em Srebrenica, ou então dizem simplesmente que coisas horríveis foram feitas também aos sérvios durante a guerra, e ninguém parece pensar em pedir desculpas por elas.

A resolução da semana passada não contava com apoio amplo - foi aprovada com apenas 127 votos entre os 250 membros do Parlamento, e muitos de seus opositores também combatiam a retórica nacionalista dos anos 1990.

Como muitos sérvios, eles exigiram uma resolução condenando todos os crimes cometidos durante as guerras na ex-Iugoslávia, especialmente aqueles que tiveram os sérvios como alvo.

Assim, a resolução é um marco político. E ainda que não inclua a palavra "genocídio", ela torna ainda mais difícil a negação do massacre e as alegações de que o número de vítimas teria sido exagerado.

Ainda assim, o governo sérvio vê-se numa posição na qual é impossível agradar a todos. Se Belgrado nada fizesse, os sérvios continuariam sendo acusados de não reconhecer o passado. Mas agora que o governo tomou uma atitude, é acusado de agir tendo em vista motivos ulteriores.

É uma pena. A resolução é muito melhor do que nada - e supera em muito as desculpas pedidas por outros países por crimes hediondos cometidos em seus nomes. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

O autor é correspondente da revista "THE ECONOMIST" nos bálcãs e é autor de "tHe Serbs: History, Myth And The Destruction Of Yugoslavia" (OS SÉRVIOS: HISTÓRIA, MITO E A DESTRUIÇÃO DA IUGOSLÁVIA)H

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.