Jamil Chade/Estadao
Jamil Chade/Estadao

O sonhador: ‘Quero ser uma estrela do futebol alemão’

O sonho de Kakaria Mohamed Faris, de 14 anos, é ser “uma estrela do futebol alemão”. Ele viajou sozinho por duas semanas entre Damasco e a Alemanha. Diante da guerra na Síria e preocupados com o fato de as aulas terem sido interrompidas por dois anos seguidos, seus pais decidiram gastar quase tudo o que tinham para garantir que ele tivesse um futuro. 

Jamil Chade ENVIADO ESPECIAL ROSZKE, HUNGRIA, O Estado de S. Paulo

13 Setembro 2015 | 07h00

“Eles me mandaram para a Alemanha para estudar. Mas quero ser jogador”, disse o garoto, em um centro para menores na cidade de Passau, na Alemanha. Ao saber que a reportagem era do Brasil, ele fez questão de se apresentar para conversar. “Você tem como conseguir um lugar num time brasileiro? Sou muito bom”, garantiu, mostrando fotos em seu celular do “tempo em que jogava” em Damasco. 

Seu sorriso parecia ter sobrevivido às bombas e ao trajeto de duas semanas. Agora, só sonha em aprender rapidamente a língua local, fazer amigos e achar uma forma de ser aceito num clube. Questionado se aceitaria ser alemão, ele não duvidou. “Claro, eles são os melhores do mundo.” Instantes depois, foi a vez de ele perguntar: “Como é que o Brasil perdeu de 7 a 1?” O Bayern de Munique anunciou que está abrindo um centro para acolher refugiados e oferecer “treinamento de futebol” como forma de aliviar o sofrimento dos garotos refugiados. 

Mais conteúdo sobre:
Crise migratóriaHungria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.