Jim Huylebroek/The New York Times
Jim Huylebroek/The New York Times

O que é o Taleban e como o grupo retomou o poder no Afeganistão

Grupo fundamentalista que busca instaurar uma versão radical da lei islâmica se espalhou por todo o país, invadindo uma cidade após a outra e entrando em Cabul na manhã deste domingo, 15

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2021 | 16h49
Atualizado 16 de agosto de 2021 | 07h25

Após duas décadas de combates no Afeganistão, o Taleban está prestes a retomar o poder pela primeira vez desde 2001.

O grupo fundamentalista que busca instaurar uma versão radical da lei islâmica se espalhou por todo o país, invadindo uma cidade após a outra e entrando em Cabul na manhã deste domingo, 15.

O rápido avanço do Taleban ocorreu enquanto os Estados Unidos se preparavam para retirar suas últimas tropas. Negociadores que representam o governo nacional estavam em negociações com a liderança política do grupo rebelde no domingo sobre um acordo para um governo de transição.

Centenas de milhares de civis estão fugindo, desencadeando uma crise humanitária que pode se espalhar por todo o mundo. Aqueles que ficaram estão contando com o retorno do governo extremista e sua interpretação radical do Islã. Os militantes fecharam escolas para meninas, proibiram smartphones em alguns lugares e forçaram os rapazes a se juntarem às suas fileiras.

O que é o Taleban?

O Taleban chegou ao poder no Afeganistão na década de 1990, formado por guerrilheiros que expulsaram as forças soviéticas na década anterior com o apoio da CIA e dos serviços de inteligência do Paquistão. A maioria de seus membros são pashtuns, o maior grupo étnico do país. O nome significa alunos em pashto, a língua mais falada no Afeganistão.

Acredita-se que o movimento predominantemente pashto tenha aparecido pela primeira vez em seminários religiosos, muitos deles financiados pela Arábia Saudita, pregando uma forma linha-dura de islamismo sunita.

As promessas feitas pelo Taleban, nas áreas pashto que ficam entre o Paquistão e o Afeganistão, eram de restaurar a paz e a segurança e impor sua própria versão austera da sharia, ou lei islâmica, quando chegasse ao poder. Do sudoeste do Afeganistão, o Taleban rapidamente expandiu sua influência.

O fundador, Mohammad Omar, comandante da resistência anti-soviética, lançou o movimento em 1994 para garantir a segurança da cidade de Kandahar, no sudeste, que era atormentada pelo crime e pela violência. A visão de justiça do Taleban o ajudou a acumular poder. “Na época, as pessoas realmente queriam lei e ordem, e não havia nenhuma”, disse Kamran Bokhari, do Newlines Institute, um centro de estudos de política externa.

No outono de 1996, o Taleban tomou Cabul e declarou o país um emirado islâmico. O governo do Taleban foi brutal e repressivo. As mulheres praticamente não tinham direitos; foram impedidas de estudar e forçadas a usar roupas que as cobrissem completamente. Música e outras formas de mídia foram proibidas.

A ideologia do Taleban era semelhante à de sua contraparte, o grupo radical Al-Qaeda, embora seus interesses se limitassem a governar o Afeganistão. Em troca de ajuda a grupos de combate alinhados com o governo do país, os líderes do Taleban abrigaram Osama bin Laden e outros membros da Al-Qaeda envolvidos nos ataques terroristas de 11 de setembro. Uma coalizão liderada pelos EUA derrubou o regime no final daquele ano.

No final de julho de 2015, o governo afegão confirmou que Omar havia morrido em abril de 2013 em Karachi, no Paquistão.

Como o Taleban recuperou suas forças?

Depois de serem expulsos, os membros do Taleban se espalharam. Alguns líderes encontraram refúgio no Paquistão, onde começaram a se fortalecer com a ajuda do sistema de segurança do país. No Afeganistão, a presença das forças dos EUA ajudou a fornecer ao Taleban um grito de guerra anticolonialista para os recrutas. O mesmo aconteceu com a corrupção no governo afegão.

"Por duas décadas, o movimento do Taleban foi lentamente desbastando, vila por vila", disse Robert Crews, um especialista em Afeganistão da Universidade de Stanford. "É um tipo de jogo muito sofisticado, de guerrilha, de mobilização popular."

Os militantes também renovaram suas fileiras por meio de uma campanha de medo e violência. Pessoas que se alistaram nas forças policiais ou no exército nacional foram assassinadas. Intelectuais públicos, jornalistas, figuras da mídia e outras pessoas que representam a face jovem da sociedade civil do Afeganistão também foram visados.

As tropas afegãs, suas fileiras perseguidas pela incompetência e corrupção, murcharam diante dos avanços do Taleban.

"As pessoas estão perguntando: 'Eu quero morrer por um governo que não enviou a minha unidade de munição? Não recebemos há meses, estamos sem comida. Agora os americanos se foram'", disse Crews. "Parece meio sem esperança."

Como o Taleban é financiado e armado?

O Taleban obtém financiamento de várias fontes. Parte do dinheiro vem do comércio de ópio e do tráfico de drogas ou de outros crimes, como o contrabando. O grupo tributa e extorquia fazendas e outros negócios. Às vezes, os militantes estão envolvidos em sequestros para obter resgate.

O grupo também recebe doações de uma ampla gama de benfeitores que apóiam sua causa ou a veem como um bem útil, disseram os especialistas.

"Não é verdade que eles precisem de muito dinheiro para operar", disse Bokhari. "Eles não moram em casas grandes. Eles não usam roupas elegantes. A maior despesa é o salário, armas e treinamento".

É fácil encontrar armas em uma região inundada por elas. Algumas são doadas, outras compradas. Muitas são roubadas.

"À medida que o exército nacional do Afeganistão desmoronou", disse Crews, "uma das primeiras ações do Taleban ao se mudar para um novo território é ir a uma sede do governo, prender ou matar essas pessoas, abrir as prisões e, em seguida, ir para as bases do governo e apreender as armas".

Em algumas áreas tribais, incluindo no Paquistão, uma "indústria caseira" de fundições surgiu onde os trabalhadores fabricam rifles de assalto, de acordo com Bokhari.

Qual é o objetivo do Taleban?

O objetivo do Taleban é simples, dizem os especialistas: recuperar o que o grupo perdeu no início dos anos 2000.

"Eles querem que seu emirado islâmico volte ao poder", disse Crews. "Eles querem sua visão da lei islâmica." Ele continuou: "Eles não querem um parlamento. Eles não querem política eleitoral. Eles têm um emir e um conselho de mulás, e essa é a visão que eles tem como a melhor para o Islã".

Não parece haver um único líder do Taleban, mas o grupo parece ter vários líderes principais. Ainda não está claro se a vida sob o governo do Taleban será a mesma de antes. Não há dúvida de que o grupo quer confinar as mulheres em suas casas, acabar com a educação mista e trazer de volta uma sociedade com a lei islâmica em seu centro.

Mas uma sociedade civil floresceu nas últimas duas décadas que não existia antes. As mulheres assumiram cargos públicos não apenas em Cabul, mas também em cidades menores. Telefones celulares e redes sociais são comuns. Especialistas questionaram se o Taleban seria capaz de governar uma população que mudou.

"Há muitas pessoas que estão melhor conectadas ao mundo por meio da mídia social e dizem: 'Ei, por que não podemos ter uma vida assim?'", disse Crews. "O que eles farão com uma sociedade que acredita no pluralismo e não acredita na monopolização do poder? Até que ponto a violência do Taleban silenciará essas vozes?"

Como era a vida sob o Taleban?

Cansada dos excessos dos mujahidin e das lutas internas após a expulsão dos soviéticos, a população afegã em geral deu as boas-vindas ao Taleban quando eles apareceram pela primeira vez.

Sua popularidade inicial deveu-se em grande parte ao sucesso em reduzir a corrupção, coibir a criminalidade e trabalhar para tornar seguras as estradas e áreas sob seu controle, estimulando assim o comércio.

No entanto, o Taleban também introduziu e apoiou punições consistentes com sua interpretação estrita da lei islâmica: executar publicamente assassinos e adúlteros condenados e mutilar os condenados por roubo.

Além disso, os homens tiveram que deixar a barba crescer e as mulheres tiveram que usar burcas que cobrissem tudo. O Taleban também proibiu a televisão, música, filmes, maquiagem e proibiu que meninas com 10 anos ou mais fossem à escola.

Alguns afegãos continuaram a fazer essas coisas em segredo, correndo o risco de punição extrema. O Taleban foi acusado de vários abusos culturais e violações dos direitos humanos.

Um exemplo notável foi em 2001, quando o Taleban destruiu as famosas estátuas dos Budas de Bamiã, no centro do Afeganistão, apesar da condenação e indignação que isso causou em todo o mundo.

Aliados da Al-Qaeda?

O Taleban se tornou um foco de atenção em todo o mundo após os ataques ao World Trade Center em Nova York em 11 de setembro de 2001. Eles foram acusados de servir de santuário para os principais suspeitos dos ataques: Osama bin Laden e seu movimento Al-Qaeda.

Em 7 de outubro de 2001, uma coalizão militar liderada pelos EUA lançou ataques no Afeganistão e, na primeira semana de dezembro, o regime do Taleban já havia entrado em colapso.

O então líder do grupo, Mullah Mohammad Omar, e outras figuras importantes, incluindo Bin Laden, escaparam da captura apesar de terem sido alvos de uma das maiores perseguições do mundo.

Muitos líderes do Taleban supostamente se refugiaram na cidade paquistanesa de Quetta, de onde lideraram o grupo. Mas o Paquistão negou a existência do que foi apelidado de "Quetta Shura", um grupo de veteranos do regime do Taleban que estaria no país.

Durante as recentes negociações de paz com os EUA, o Taleban garantiu que não mais hospedaria a Al-Qaeda, uma organização que está muito diminuída.

Quem lidera o grupo?

Mawlawi Hibatullah Akhunadzad foi nomeado Comandante Supremo do Taleban em 25 de maio de 2016, depois que Mullah Akhtar Mansour foi morto em um ataque de drones nos Estados Unidos.

Na década de 1980, ele participou da resistência islâmica contra a campanha militar soviética no Afeganistão, mas sua reputação é mais a de um líder religioso do que a de um comandante militar. Akhundzada trabalhou como chefe dos tribunais da Sharia na década de 1990.

Acredita-se que ele esteja na casa dos 60 anos e viveu a maior parte de sua vida no Afeganistão. No entanto, de acordo com especialistas, ele mantém laços estreitos com os chamados Quetta Shura, líderes do Taleban afegão que afirmam estar baseados na cidade paquistanesa de Quetta.

Como comandante supremo do grupo, Akhundzada é responsável pelos assuntos políticos, militares e religiosos.

Qual é a situação atual?

Apesar das sérias preocupações das autoridades afegãs sobre a vulnerabilidade do governo sem apoio internacional contra o Taleban, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou em abril de 2021 que todas as tropas americanas deixariam o país até 11 de setembro, duas décadas após os ataques ao Estados Unidos.

Tendo sobrevivido a uma superpotência durante duas décadas de guerra, o Taleban começou a tomar vastas áreas de território, ameaçando derrubar mais uma vez um governo em Cabul.

Acredita-se agora que o grupo seja mais numeroso do que em qualquer momento desde que foi derrubado em 2001, com até 85 mil combatentes, de acordo com estimativas recentes da Otan.

Seu controle do território é mais difícil de estimar, pois os distritos vão e vêm entre o Taleban e as forças do governo, mas estimativas recentes colocam o controle entre um terço e um quinto do país. O progresso é mais rápido do que muitos temiam.

O general Austin Miller, comandante da missão liderada pelos Estados Unidos no Afeganistão, alertou em junho que o país poderia estar entrando em uma guerra civil caótica.

Uma avaliação da inteligência dos EUA realizada no mesmo mês concluiu que o governo afegão poderia cair em até seis meses após a partida do exército americano. / AP, AFP, REUTERS, W.POST e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.