Obama acredita que Congresso vai aprovar ação na Síria

O presidente dos EUA, Barack Obama, declarou hoje estar confiante de que os congressistas vão autorizar uma operação militar contra o regime sírio de Bashar Assad, em resposta ao suposto uso de armas químicas contra civis nos arredores de Damasco em 21 de agosto.

Agência Estado

04 Setembro 2013 | 12h05

"Acredito que o Congresso vai aprovar (o pedido feito pela Casa Branca), disse Obama durante coletiva que se seguiu a um encontro bilateral com o primeiro-ministro sueco, Fredrik Reinfeldt, em Estocolmo.

"Eu acho que a América reconhece que, por mais difícil que seja adotar uma ação militar - mesmo que seja limitada, sem tropas terrestres...a América também reconhece que se a comunidade internacional falhar em manter certas normas, padrões, leis que regulam como os países interagem e como as pessoas devem ser tratadas, que ao longo do tempo este mundo ficará menos seguro", afirmou o presidente norte-americano.

Alguns congressistas, incluindo o presidente da Câmara dos Representantes, John Boehner, indicaram que vão apoiar o plano de Washington. Após se reunir com Obama ontem, Boehner classificou como "ato bárbaro" o suposto uso de gás sarin pelo governo de Assad contra a oposição síria. "O uso destas armas deve ter uma resposta e só os EUA têm capacidade de parar Assad", afirmou Boehner.

Obama disse também hoje que quer uma "resposta efetiva" que impeça que armas químicas voltem a ser usadas no futuro. "Estou falando de uma ação limitada, em tempo e escopo, com o objetivo específico de afetar a capacidade (de Assad) e evitar que essas armas sejam usadas de novo", disse o presidente.

Obama afirmou ainda que ele o primeiro-ministro sueco concordam que a "comunidade internacional não pode ficar silenciosa" diante do suposto uso de armas químicas pelo regime de Assad, mas Reinfeldt enfatizou a necessidade de se agir com cautela. Fonte: Market News International.

Mais conteúdo sobre:
SuéciaObamaCongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.