Obama acusa McCain de tentar desviar foco do eleitor

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, respondendo a novos ataques estridentes de seus rivais republicanos, antecipou hoje um novo vídeo de propaganda eleitoral no qual acusa John McCain de ter-se comportado erraticamente enquanto uma crise devastava a estrutura financeira americana. McCain, que busca reverter uma recente queda nas pesquisas estreitamente ligada aos temores do eleitorado com relação à economia do país, tenta desesperadamente mudar de assunto, acusa a campanha de Obama. O democrata, por sua vez, tenta proteger sua crescente vantagem sobre McCain nas sondagens de opinião.Em declarações preparadas para um discurso previsto para hoje na Carolina do Norte, Obama pediu a seu oponente que falasse sobre as coisas que estão assustando os americanos."O senador McCain e seus operadores estão apostando na possibilidade de distrair você (o eleitor) com sujeira ao invés de falar sobre temas substanciais. Eles preferem baixar o nível da campanha a colocar o país para cima", dirá Obama. "É o que as pessoas fazem quando perdem o contato com a realidade, com as idéias, quando o tempo se esgota."Sarah PalinAs falas de Obama são uma resposta às declarações de Sarah Palin, vice na chapa de McCain, que usou três aparições recentes para acusar Obama de "andar por aí com terroristas". Os comentários incendiários de Palin referiam-se aos contatos que Obama teve no passado com William Ayers, que na década de 1960 fundou um grupo radical contrário à Guerra do Vietnã. Obama era criança na época em que o grupo era ativo e denunciou as posições e atitudes radicais de Ayers.Apesar de Obama e Ayers morarem no mesmo bairro e terem trabalhado em uma mesma entidade assistencial, não há nenhuma evidência de que algum dia eles tenham "andado por aí" juntos. No novo anúncio, que irá ao ar em rede nacional de cabo, McCain é acusado de promover ataques pessoais a Obama para distrair a atenção do eleitor do fato de 750 mil empregos terem sido perdidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.