Obama acusa Romney de mudar discurso

Em comício no Colorado, presidente insinua que rival alterou programa em busca da classe média

DENISE CHRISPIM MARIN , ENVIADA ESPECIAL / DENVER, EUA, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2012 | 03h04

Depois de uma performance considerada apática no debate de quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos e candidato à reeleição, Barack Obama, ironizou ontem seu rival, Mitt Romney, em um comício em Denver, no Colorado. Sob uma temperatura de 0 grau Celsius, o presidente disse a cerca de 5 mil pessoas que um "novo Romney" trouxe propostas opostas às que fez durante a campanha republicana.

"Quando pisei no palco, encontrei esse sujeito muito espirituoso que disse ser Mitt Romney. Mas não podia ser ele, porque o Mitt Romney real tem corrido o país no último ano prometendo uma redução de US$ 5 trilhões nos impostos, que favorecerá os mais ricos", afirmou Obama. "O sujeito no palco na noite passada disse que não sabia nada disso."

Pouco antes do comício de Denver, o primeiro depois do debate, o estrategista da campanha de Obama, David Axelrod, acusou Romney de ter mentido e também omitido detalhes, especialmente sobre seus planos de corte de US$ 5 trilhões em impostos em dez anos fiscais. "Romney deve ganhar o Oscar, não a eleição", disse.

Obama retomou as críticas a Romney após seu desempenho ruim no debate. Insistiu, principalmente, na suposta tentativa de Romney de negar o repasse do custo tributário de suas políticas de governo para a classe média. "Quando ele foi questionado sobre como iria reduzir o déficit e os gastos públicos, disse que eliminaria os fundos para a TV pública", afirmou Obama. "Finalmente, alguém está sendo duro com o Garibaldo. Eu não sabia que o Garibaldo estava contribuindo para o déficit federal", ironizou, ao referir-se ao protagonista do programa Vila Sésamo.

Em vez de lançar ataques duros a Romney, Obama preferiu falar de sua proposta de pôr em marcha uma nova economia patriótica e lembrar de promessas cumpridas por seu governo. "Há quatro anos, prometi acabar com a guerra no Iraque e cumpri. Eu disse que sairíamos do Afeganistão de uma maneira responsável - e assim estamos fazendo. Enquanto uma nova torre está sendo levantada em Nova York, a Al-Qaeda está no caminho da derrota e Osama bin Laden está morto", declarou.

Otimismo. Na plateia desde as 6h15, três donas de casa e suas filhas esperavam pelo discurso de Obama. As meninas estavam entusiasmadas com a chance de ver o presidente dos EUA pela primeira vez. Mais condescendentes do que os próprios assessores de Obama, as mães Samantha Stuhahn, Christine Mackstaller e Angie Mielke consideraram acertada a posição pouco agressiva do presidente no debate.

"Romney foi para o ataque. Mas o presidente respondeu muito bem, não se portou como um antagonista. Por isso, venceu o debate", afirmou Samantha. "Romney teve um desempenho melhor do que esperávamos. Mas aquele não era Romney", disse Christine, antes de o discurso de Obama começar.

A secretária aposentada Sharon Tabe, voluntária na campanha democrata em Denver, mostrou-se aborrecida pela apatia de Obama no debate. Mas considerou haver ainda duas oportunidades para ele levantar o entusiasmo do eleitorado, nos debates nos Estados de Nova York (dia 16) e da Flórida (dia 22).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.