Obama adverte Ucrânia por violência

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta quarta-feira que a Ucrânia evite a violência contra manifestantes pacíficos ou o país enfrentará "consequências".

AE, Agência Estado

19 de fevereiro de 2014 | 18h04

As declarações vêm à tona em um momento no qual o governo norte-americano estudar se unir a seus aliados europeus na imposição de sanções com o objetivo de pôr fim à crise política na nação do leste europeu antes que um conflito civil tenha início.

"Haverá consequências se as pessoas ultrapassarem os limites", afirmou Obama, logo após desembarcar no México para uma reunião de cúpula com líderes da América do Norte. "E isso inclui assegurar que os militares ucranianos não intervenham na crise política, que pode ser resolvida por civis."

Obama disse que o governo norte-americano está monitorando a situação da Ucrânia "com muito cuidado". "Esperamos que o governo ucraniano mostre contenção e não recorra à violência quando lidar com manifestantes pacíficos", disse o presidente dos EUA.

"Consideramos o governo ucraniano como o principal responsável por certificar-se de que está lidando com manifestantes pacíficos de forma adequada, para que a população do país seja capaz de falar livremente sobre seus interesses, sem medo de repressão", afirmou Obama, acrescentando que ele também espera que os manifestantes continuem pacíficos. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.