Obama alerta Coreia do Norte sobre maior isolamento

Presidente americano volta a pedir que Pyongyang retome discussões sobre programa nuclear

estadão.com.br

11 de novembro de 2010 | 09h11

Obama discursa para tropas americanas instaladas na Coreia do Sul.

 

SEUL - O presidente dos EUA, Barack Obama, pediu à Coreia do Norte nesta quinta-feira, 11, que retome as negociações sobre seu programa nuclear com a comunidade internacional para não fazer com que a vida de seu povo se torne ainda mais dura, informa o jornal britânico The Guardian.

 

"A contínua busca da Coreia do Norte por armas nucleares só vai levar ao isolamento e a uma piora da segurança desse país. Mas há outro caminho que a Coreia do Norte pode seguir", disse Obama a tropas americanas na Coreia do Sul, onde se encontra para a reunião do G20.

 

Obama afirmou que o programa nuclear de Pyongyang e o recente episódio do afundamento de um navio sul-coreano supostamente causado por uma ação norte-coreana marcam o caminho "do confronto e da provocação".

 

"Se eles escolherem cumprir suas obrigações internacionais e comprometimentos com a comunidade internacional, eles terão a chance de oferecer ao seu povo uma oportunidade de crescimento em vez da pobreza", alertou Obama, que reafirmou seu compromisso em defender a Coreia do Sul, onde os EUA ainda mantêm 28.500 soldados.

 

As duas Coreias permanecem tecnicamente em guerra, já que a guerra da península não foi formalmente encerrada em 1953, quando apenas foi assinada uma trégua. As tensões se elevaram novamente este ano com o afundamento de um navio sul-coreano, quando morreram 46 marinheiros. Seul culpa Pyongyang pelo fato, mas os norte-coreanos negam.

 

Outra questão que gera impasse é o programa nuclear norte-coreano, considerado uma ameaça pelo sul. Pyongyang se recusa a retornar à mesa de negociações para abandonar os projetos atômicos e diz que só o fará se a Guerra da Coreia for encerrada formalmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.