Obama: América Latina é exemplo de democracia

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse em discurso hoje na capital do Chile que a transição dos países da América Latina para a democracia deveria ser vista como um exemplo para outras regiões do mundo, algumas das quais no momento lutam contra regimes autocráticos.

AE, Agência Estado

21 de março de 2011 | 18h58

Sem mencionar especificamente o Oriente Médio e o Norte da África, onde a violência se alastrou e as rebeliões já levaram à queda de dois governos, Obama disse que uma das lições a serem aprendidas da América Latina é a transição para a democracia, que cada país fez nas décadas de 1970 e 1980, em grande parte através de um diálogo aberto.

Obama também afirmou que os EUA buscarão maneiras de ajudar o povo cubano a aumentar seus níveis de participação democrática. "Os povos das Américas têm o direito à democracia e todas as gerações nas Américas lutaram por ela. Como governo, temos a obrigação de defender a democracia que elas conquistaram", afirmou.

Obama também falou sobre os fortes laços econômicos entre os EUA e a América Latina e disse que nenhuma outra região do mundo tem uma relação comercial tão forte com Washington. "Quando a América Latina é mais próspera, os EUA são mais prósperos", afirmou o mandatário. Na sua viagem à região, que já incluiu o Brasil e terá uma breve passagem por El Salvador, Obama tentou fortalecer as relações comerciais.

O presidente afirmou que tem a intenção de dar um impulso aos acordos de livre-comércio entre os EUA e Colômbia e Panamá. Atualmente, ambos os acordos estão parados no Congresso norte-americano.

Obama também se referiu a como os EUA estão ajudando a região a lutar contra o narcotráfico e reconheceu que Washington tem uma responsabilidade nesta questão, enquanto luta contra o consumo interno de drogas.

Obama também falou que a América Latina é uma região em mudança e que, devido ao crescimento econômico dos países, ultrapassou a crise econômica mundial melhor que qualquer outra região. "O mundo precisa reconhecer a América Latina como a região dinâmica que é. Quando os países latino-americanos e os EUA se juntam (em busca de um objetivo comum) não existe nada que não possamos alcançar". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.