Obama anuncia envio de 17 mil soldados ao Afeganistão

Presidente americano afirmou que situação na região pede 'atenção urgente e ação rápida'.

BBC Brasil, BBC

17 de fevereiro de 2009 | 23h00

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta terça-feira o envio de mais 17 mil soldados para o Afeganistão, afirmando que a decisão é motivada por "necessidades urgentes de segurança"."A situação no Afeganistão e no Paquistão pede atenção urgente e ação rápida. O Talebã está ressurgindo no Afeganistão e a Al-Qaeda apoia a insurgência, ameaçando os Estados Unidos de seus esconderijos ao longo da fronteira paquistanesa", disse o presidente em um comunicado divulgado pela Casa Branca.Obama afirmou que a decisão foi tomada após um pedido do secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates.Segundo uma nota divulgada pelo Departamento de Defesa, duas brigadas - uma de fuzileiros navais e outra do Exército - serão enviadas ao país ainda em 2009. "De acordo com a decisão do presidente Obama, o secretário Gates ordenou o envio de mais de 12 homens ao Afeganistão (...). Um destacamento adicional de cerca de 5 mil soldados para dar apoio às forças de combate receberá as ordens para se mobilizar em uma outra data".O comunicado do Departamento de Defesa afirma que 8 mil fuzileiros navais serão enviados ao país no final da primavera (do hemisfério norte) e outros 4 mil soldados serão enviados ao Afeganistão no verão de 2009.Este é o primeiro anúncio de um grande envio de tropas para o país desde que Obama tomou posse, no último dia 20 de janeiro, e pode representar o início de uma mudança da política americana em relação ao Afeganistão."O aumento (de tropas) é necessário para estabilizar a situação crítica no Afeganistão, que não recebeu a atenção estratégica e os recursos para suas necessidades urgentes. É por isso que eu ordenei a revisão de nossas políticas quando cheguei ao cargo", disse Obama no comunicado, onde ainda afirmou que o aumento de tropas no país foi possível graças à diminuição das forças no Iraque.Durante a campanha presidencial, Obama prometeu focar os esforços de defesa dos EUA no combate ao Talebã e à Al-Qaeda no Afeganistão. Ele chegou inclusive a classificar a atenção que o governo de seu antecessor, George W. Bush, deu à Guerra no Iraque como uma "distração".Os Estados Unidos têm atualmente cerca de 14 mil homens servindo no Afeganistão sob o comando das forças da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Outros 19 mil soldados estão sob o comando americano com a função de combater insurgentes do Talebã e da Al-Qaeda.Informações dão conta que o comando americano no Afeganistão havia solicitado um envio de mais 30 mil soldados ao país. O anuncio de Obama foi feito no mesmo dia em que a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um relatório onde afirma que o número de civis mortos em conflitos no Afeganistão subiu 40% em 2008.De acordo com a ONU, militantes foram os culpados por 55% destas mortes. Tropas americanas, membros da Otan e forças afegãs foram os responsáveis por 39%.Segundo o documento, o número de civis mortos é o maior desde que o Talebã foi derrubado do poder no país, em 2001.Leia também na BBC Brasil: Número de civis afegãos mortos subiu 40% em 2008, diz ONUBBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.