Obama anuncia medidas de apoio à classe média

Entre as propostas estão incentivos fiscais e medidas em apoio a planos de previdência.

Alessandra Corrêa, BBC

25 de janeiro de 2010 | 18h18

Dois dias antes de proferir seu primeiro discurso do Estado da União, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta segunda-feira uma série de medidas de apoio à classe média.

Entre as propostas está o aumento de benefícios fiscais para assistência infantil, destinado a famílias com renda de até US$ 85 mil (R$ 155 mil) anuais.

Também estão previstas medidas de apoio à aposentadoria. Pela proposta, empresas que não oferecem planos de previdência a seus funcionários deverão cadastrá-los em contas de depósito direto para aposentadoria.

As medidas também beneficiam estudantes, limitando o pagamento de empréstimos do crédito educativo federal a 10% de sua renda.

Força-tarefa

As propostas foram elaboradas por uma força-tarefa liderada pelo vice-presidente americano, Joe Biden, que esteve presente no anúncio.

Segundo Obama, muitos americanos sentiram na pele os efeitos da recessão antes mesmo de ela ser anunciada pelos economistas.

"Nenhuma dessas medidas irá resolver sozinha todos os desafios enfrentados pela classe média", afirmou o presidente. "Mas esperamos que algumas dessas ações restabeleçam um pouco da segurança que foi perdida nos últimos anos."

O anúncio desta segunda-feira ocorre poucos dias depois de o presidente ter proposto uma série de medidas para limitar o tamanho e os riscos assumidos pelos grandes bancos americanos.

Ocorre também depois de o partido de Obama, o Democrata, ter sofrido uma derrota histórica na eleição para uma vaga no Senado, no que analistas afirmam ser um sinal da perda de apoio da classe média.

Com uma taxa de desemprego em 10%, analistas afirmam que a classe média americana está cada vez mais descontente com os rumos da economia americana.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.