Obama arrecada valor recorde para campanha

Democrata, que recusou fundos públicos, angariou US$ 66 milhões

New York Times, Washington, O Estadao de S.Paulo

15 de setembro de 2008 | 00h00

O candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, arrecadou US$ 66 milhões em agosto, disseram ontem seus assessores, representando o mês recorde em arrecadação de fundos para sua campanha.David Plouffe, administrador da campanha de Obama, disse que meio milhão de novos doadores se inscreveram para doar dinheiro. Ele informou que a conta bancária da campanha continha US$ 77 milhões no final do mês passado."Os 500 mil novos doadores demonstram o empenho do povo americano em mudar Washington", afirmou Plouffe, acrescentando que mais de 2,5 milhões de pessoas fizeram contribuições à campanha nos últimos 19 meses.Embora a quantia obtida seja considerável, ela é uma referência básica do que o candidato democrata precisará levantar a cada mês para atingir seus objetivos de campanha. Ele não aceitou o financiamento público - uma infusão de caixa de US$ 84 milhões do Tesouro dos Estados Unidos - e, assim, o ônus da arrecadação de fundos de sua campanha é maior que o de seus rivais republicanos.Para Obama, os US$ 66 milhões de agosto vieram na esteira de sua nomeação oficial à presidência pelo Partido Democrata, quando fez um discurso assistido por cerca de 40 milhões de pessoas. Segundo assessores, a arrecadação aumentou também nos dias finais do mês, depois que o candidato republicano,John McCain, anunciou a vice de sua chapa, a governadora do Alasca, Sarah Palin.Bill Burton, um porta-voz de Obama, disse no sábado que a campanha não encaminharia seu relatório à Comissão Federal Eleitoral até 20 de setembro, por isso não será possível uma análise mais precisa de como o dinheiro foi arrecadado antes dessa data. Seu recorde mensal anterior foi em fevereiro, com US$ 55 milhões.McCain, que aceitou financiamento público para sua campanha, arrecadou em agosto US$ 47 milhões em fundos privados, um recorde obtido após a nomeação de Sarah.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.