Mandel Ngan/AFP
Mandel Ngan/AFP

Obama assina acordo de parceria com Afeganistão

Com fim da missão de combate da Otan no país, presidente encontra Karzai em visita surpresa

estadão.com.br,

01 Maio 2012 | 17h13

Texto atualizado às 19:54

CABUL - O presidente americano, Barack Obama, e o presidente afegão, Hamid Karzai, assinaram na manhã de quarta-feira, 2 (horário local, terça em Brasília) um acordo de cooperação que traça o futuro das relações dos Estados Unidos com o Afeganistão, com o fim da missão de combate da Otan no país.

Veja também:

linkObama faz visita surpresa ao Afeganistão e fará discurso à nação

tabela ESPECIAL: Morte de Osama bin Laden 

Em uma visita não anunciada a Cabul, Obama reconheceu que haverá dias difíceis pela frente para o Afeganistão, mas disse que povo afegão já começou a assumir o controle do próprio futuro.

Obama deve permanecer por cerca de sete horas no Afeganistão, onde os Estados Unidos tem se empenhado em uma guerra por mais de uma década, após os ataques do 11 de setembro.

A viagem carrega um importante significado simbólico para um presidente que busca um segundo mandato, podendo mostrar o que a Casa Branca considera o fruto dos esforços de mudar os rumos desta guerra: o assassinato de Osama bin Laden, que aconteceu há um ano. 

Em breves declarações durante a cerimônia de assinatura no palácio presidencial na capital afegã, o presidente americano declarou que com o acordo "estamos comprometidos a substituir a guerra pela paz".

O acordo estabelece o novo marco de cooperação entre os dois países uma vez que se complete a retirada das tropas da Otan em 2014 e terá uma vigência de dez anos.

O pacto abrange tanto as áreas de comércio e economia como de segurança e governança. Entre outras coisas, abre a porta para que os EUA mantenham uma presença militar no país asiático para treinar as forças afegãs - algo que quis fazer e não pôde no Iraque - e continue suas operações contra a rede terrorista Al Qaeda.

"Com a assinatura deste acordo estratégico, esperamos com antecipação um futuro de paz. Hoje concordamos em ser sócios em longo prazo", declarou o presidente americano.

A imprensa que viajou com Obama em um voo de 13 horas teve de concordar em manter a visita em segredo até o presidente pousar com segurança na capital do país, Cabul, onde insurgentes do Taleban continuam promovendo ataques.

Os dois líderes apertaram as mãos após a assinatura, que aconteceu no palácio presidencial de Karzai, na capital afegã.

Com Reuters e Efe

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.