Obama ataca emendas de parlamentares ao orçamento

O presidente americano, Barack Obama, afirmou ontem, ao sancionar um pacote de gastos para este ano que os EUA precisam de uma reforma nas leis para tornar o processo mais transparente e menos suscetível às dotações orçamentárias por emenda parlamentar. "Assinei uma lei imperfeita, pois ela é necessária", reconheceu Obama. "Acredito que podemos avançar, que podemos entrar em consenso sobre princípios que evitem o abuso das dotações", afirmou o presidente.Obama disse ter um projeto que permitirá aos legisladores fazer emendas que tenham "legitimidade e propósito público", mas tornará o processo mais transparente e confiável. "Esta lei deve marcar o fim da antiga forma de se fazer negócios e o começo de uma nova era de responsabilidade e prestações de conta."As dotações feitas pelos congressistas, que direcionam verbas aprovadas para projetos específicos, frequentemente são usadas para favorecer grupos de apoio dos políticos e, muitas vezes, empresas privadas. CRÍTICAO senador republicano pelo Arizona John McCain, ex-rival de Obama na disputa presidencial do ano passado e forte crítico das dotações parlamentares conhecidas como "earmarks", classificou as declarações do presidente como de "excelente retórica", mas "sem sentido prático". "O que ele deveria ter feito era ameaçar vetar a lei, dizer que os parlamentares deviam retirar os US$ 8 bilhões em dotações e só então assinar o orçamento", disse McCain.Obama, que durante a campanha criticou o processo de dotações, assinou ontem o orçamento de US$ 410 bilhões, que foi aprovado após intensos debates pelo Congresso, controlado por democratas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.