Obama ataca republicanos por barrarem votação

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, usou seu discurso semanal de rádio para criticar os republicanos por bloquearem as tentativas para permitir a votação sobre a legislação que ampliará os benefícios para desempregados e aumentará a responsabilidade legal para as empresas petrolíferas que prejudicam o meio ambiente. Obama disse que está desapontado ao ver uma "política sombria e familiar entrar no caminho da nossa capacidade de avançar com uma série de questões críticas que têm um impacto direto na vida das pessoas".

CLARISSA MANGUEIRA, Agência Estado

19 de junho de 2010 | 10h19

Os republicanos, juntamente com alguns democratas, votaram na quinta-feira para impedir o fim do debate sobre uma lei que estende benefícios de desemprego e renova uma série de créditos fiscais implementados em 2009. As tentativas de votar uma lei que colocaria um limite máximo de responsabilidade legal para as empresas de petróleo de US$ 75 milhões, valor considerado ultrapassado e baixo, também foram bloqueadas. Obama disse que os cidadãos americanos precisam de uma votação limpa. Ele afirmou que mais de 100 pessoas que nomeou para trabalhar em uma série de cargos federais também estão aguardando a aprovação do Senado.

O apelo do presidente dos EUA por um espírito de maior cooperação ocorre antes de uma reunião de Obama com um grupo bipartidário de senadores na próxima semana na Casa Branca para discutir energia e legislação climática. Obama admite que ocorrerão diferenças, mas disse que o público merece ver que republicanos e democratas podem ao menos sentar e discutir questões importantes.

Obama disse que a aprovação do projeto de lei de desemprego é necessária para ajudar os americanos que perderam seus empregos. Segundo o presidente americano, a proposta ajudará os Estados que lutam para salvar o emprego de milhares de professores, policiais e bombeiros."

Os republicanos usaram seu discurso semanal na rádio para criticar a resposta de Obama à catástrofe de petróleo do Golfo. O senador Roger Wicker disse que o país precisa continuar a tomar conhecimento de "mais e mais informações perturbadoras sobre a enorme negligência por parte da BP e sobre algumas propostas da administração Obama que irão fazer mais mal do que bem". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamadesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.