Obama aumenta pressão por pacote nos EUA

Em artigo publicado em jornal e discurso, presidente pediu pressa na aprovação no Congresso.

BBC Brasil, BBC

06 de fevereiro de 2009 | 09h30

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aumentou nesta quinta-feira a pressão sobre os congressistas do país para que aprovem logo a proposta de pacote de recuperação econômica de quase US$ 900 bilhões.A expectativa é de que o pacote, que enfrenta a resistência da oposição republicana, seja votado nas próximas horas no Senado em Washington. Ele foi aprovado na semana passada na Câmara.Nas últimas horas, senadores vem discutindo formas de reduzir os gastos previstos no pacote - principal motivo da oposição de parlamentares republicanos - para tornar mais provável a aprovação na casa.Em um artigo publicado no jornal The Washington Post, Obama disse que "o que os americanos esperaram de Washington é ação que corresponda ao que eles sentem em seus cotidianos - ação que seja rápida, ousada e sábia o suficiente para que nós saiamos da crise"."Em um evento no Departamento de Energia, o presidente voltou a pressionar."O momento de conversar acabou, o momento de agir é agora", disse o presidente em um discurso."Eu peço aos membros do Congresso, democratas e republicanos, que encarem este momento. A escala e o propósito deste plano são corretos."Na quarta-feira, os senadores americanos incluíram uma emenda no pacote para ampliar a ajuda a proprietários de imóveis e amenizar uma cláusula de preferência por produtos americanos.Leia mais na BBC Brasil sobre a decisão dos senadoresNovos dados sobre o desemprego nos Estados Unidos, divulgados nesta quinta-feira, reforçaram a urgência na aprovação do plano.O número de pessoas sem trabalho que requisitaram seguro-desemprego subiu em 35 mil, chegando em 626 mil na semana encerrada em 31 de janeiro - acima do esperado por analistas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.