Shawn Thew/Efe
Shawn Thew/Efe

Obama avalia propostas para conter violência armada

Os 19 passos estudados pelo presidente têm como base recomendações da força-tarefa comandada por Joe Biden

AE, Agência Estado

15 de janeiro de 2013 | 15h02

WASHINGTON - O presidente Barack Obama está avaliando 19 passos para conter a violência armada que podem ser adotados sem a aprovação do dividido Congresso dos EUA, informaram nesta terça-feira, 15, os congressistas.

As possibilidades avaliadas, que podem incluir ações estritas contra pessoas que mentem na checagem de antecedentes e penalidades contra tráfico de armas, terão como base recomendações da força-tarefa comandada pelo vice-presidente Joe Biden e que podem ser conhecidas nesta quarta-feira. 

Ao mesmo tempo, o Estado de Nova York se prepara para ser o primeiro a endurecer as restrições à posse de armas de assalto. O Senado do Estado aprovou, por 43 votos a 18, medidas contra a posse de armas nos EUA. A câmara baixa do Estado deve votar a medida ainda hoje.

A medida, denominada Lei de Segurança contra as Armas e Munições de Nova York (NY SAFE) faz várias emendas em uma lei estatal anterior contra as armas de assalto. O governador do Estado, o democrata Andrew Cuomo, que trabalhou pela aprovação da lei, elogiou o Senado: "a decisão corajosa de membros dos dois partidos é uma maneira colaborativa de atender aos desafios que nosso Estado e país enfrentam, já presenciamos muito atos insanos de violência armada."

Mais cedo, ele havia dito aos repórteres que "as pessoas estão agora gritando por ajuda sobre o assunto da violência armada e acredito que seja o que estamos fazendo."

Autoridades da Casa Branca acreditam que as propostas de mudança para o uso e venda de armas em nível nacional - após o massacre ocorrido na escola primária na cidade de Newtown, em Connecticut - fornece a Obama a melhor chance de conseguir aprovar no Congresso as propostas.

As informações são da Dow Jones e da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.