Obama: Censo mostra necessidade de reforma na saúde

Após defender ontem, no Congresso, seu plano para o seguro-saúde, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, continua disseminando o tema. Segundo ele afirmou hoje, o número de norte-americanos não cobertos por seguros-saúde está crescendo, o que enfatiza a necessidade de reforçar o sistema de saúde do país. "Estima-se que, nos últimos 12 meses, o número de pessoas sem seguro-saúde aumentou em cerca de 6 milhões. Isso significa 17 mil homens e mulheres por dia", disse, em referência ao aprofundamento da recessão desde setembro de 2008. De acordo com o Departamento de Censo, o número de pessoas sem cobertura de saúde nos EUA subiu de 45,7 milhões em 2007 para 46,3 milhões no ano passado, e os índices de pobreza apresentaram as maiores altas desde 2004.

AE, Agencia Estado

10 de setembro de 2009 | 16h17

Obama falou hoje para um grupo de enfermeiros que apoiam seu proposta de revisão do sistema de saúde, uma plateia mais amistosa. "Poucas pessoas entendem tão bem quanto vocês a razão pela qual o sistema de saúde precisa tanto de uma reforma", disse Obama aos membros da Associação Americana de Enfermeiros. Ele repetiu os objetivos da legislação sobre saúde apresentados durante o discurso de ontem feito no horário nobre da televisão norte-americana e, mais uma vez, pediu ações urgentes. "Se há preocupações verdadeiras sobre qualquer aspecto do meu plano, vamos discuti-los. Se há diferenças, vamos resolvê-las", disse Obama. "Mas temos tratado essa questão ao extremo, ano após ano, década após década e o tempo para falar sobre ela está acabando". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAsaúdereformaBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.