Obama chama de 'tragédia inqualificável' incidente com deputada

Democrata Gabrielle Giffords e assessores foram baleados durante evento partidário no Arizona

Associated Press

08 de janeiro de 2011 | 18h31

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, chamou de "tragédia inqualificável" o tiroteio em um mercado no distrito de Tucson, no Estado do Arizona, no qual a deputada democrata Gabrielle Giffords ficou gravemente ferida após ser baleada na cabeça.

 

Veja também:

linkAutoridades pedem que deputados 'tomem precauções'

linkDeputada americana é baleada no Arizona

 

Obama disse que o episódio é "um ato de violência terrível e sem sentido que não tem espaço em uma sociedade livre". O presidente ainda disse que "algumas pessoas" morreram no episódio e que a deputada foi "gravemente ferida".

 

A secretária de Segurança Doméstica, Janet Napolitano, também se pronunciou sobre o caso e confirmou que um juiz federal está entre os feridos. "Estou profundamente entristecida pelas notícias de que a deputada Gabrielle Giffords, o juiz John Roll e outros foram atacados nesta tarde em Tucson, Arizona", disse, completando que seu Departamento "ofereceu toda a assistência possível ao FBI e à polícia local para apurar o caso".

 

Um dos senadores pelo Estado, o republicano John McCain, afirmou que o responsável pelo ataque, classificado por ele como uma “desgraça”, deve receber “a pena máxima”, que seria a de morte no Arizona.

 

O novo presidente da Câmara dos Representantes, o republicano John Boehner, também se manifestou. “Atos e ameaças de violência contra autoridades não têm lugar em nossa sociedade”, disse. “Este é um dia triste para o nosso país. Nossas orações estão com a deputada Giffords, seus assessores que se feriram e suas famílias. Este é um dia triste para o nosso país”, afirmou.

 

Segundo as autoridades locais, 18 pessoas foram baleadas, e entre elas seis morreram e 12 ficaram feridas, algumas com gravidade. A democrata está passando por cirurgia. Além do juiz, assessores de Gabrielle estavam entre os atingidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.