Obama cita Romney em seu primeiro comício de 2012

Referindo-se repetidamente a Mitt Romney como "meu oponente", o presidente Barack Obama subiu ao palco neste sábado para seu primeiro comício de campanha em 2012. O momento marcou a nova fase da transição de Obama, de presidente para candidato à reeleição.

AE, Agência Estado

05 Maio 2012 | 18h39

O presidente, que foi apresentado pela primeira-dama Michelle Obama, falou mal da experiência de Romney nos negócios e no governo. Ele criticou a posição tomada pelo ex-governador de Massachusetts nas guerras no Iraque e no Afeganistão e afirmou que Romney quer dar incentivos fiscais aos ricos às custas da classe média. Obama disse também que seu oponente "carimbaria" uma agenda republicana no Congresso que arrastaria a economia para baixo.

"O governador Romney é um patriota que tem uma família maravilhosa e da qual é muito orgulhoso. Ele dirigiu uma grande empresa financeira e governou um Estado", disse Obama a seus partidários num ginásio de futebol da Universidade Estadual de Ohio.

"Mas eu acho que ele tirou as lições erradas dessas experiências", continuou o presidente. "Ele acredita sinceramente que se executivos-chefes e investidores ricos como ele ganharem dinheiro, o resto de nós vai automaticamente prosperar também."

A retórica, particularmente em questões econômicas, mostra a difícil batalha para a reeleição que Obama tem à sua frente, especialmente num Estado como Ohio. O público que compareceu ao local também deu uma ideia dos desafios que ele terá de enfrentar, já que a maioria dos assentos superiores estava vazia.

Num discurso no qual defendeu seus feitos e prometeu progressos em outros temas, como energia, em seu segundo mandato, Obama também tentou convencer seus partidários de que ainda tem o fascínio mostrado em 2008. "Eu acredito em vocês. E peço que continuem a acreditar em mim", disse ele.

Obama participaria de um outro comício em Richmond, Virgínia, ainda neste sábado.

Em comunicado, o presidente do Comitê Nacional Republicano, Reince Priebus, disse que "três anos depois de prometer esperança e mudança, Barack Obama deu início à sua campanha com mais retórica divisionista e nos mostrou que ele está realmente concorrendo com base na propaganda e na culpa...as políticas do presidente Barack Obama deixaram as famílias americanas com aumentos dos preços dos combustíveis, elevação do valor das despesas escolares e prêmios no setor da saúde."

O maior envolvimento do presidente na campanha ocorre em meio a notícias econômicas não muito boas. Seu maior desafio eleitoral é mostrar aos eleitores que eles estão melhores agora do que há quatro anos.

Segundo o presidente, a questão que importa em novembro "não é sobre como estamos hoje, mas como estaremos amanhã".

Não está claro como a mensagem econômica vai atingir os eleitores de Ohio, estado que foi duramente atingido pela recessão e pelo declínio da indústria manufatureira. Obama lembrou que apoiou a ajuda do governo à indústria automobilística, que a Casa Branca considera um de seus sucessos mais importantes, enquanto Romney foi contra.

Obama e Romney vão competir ferozmente pelos eleitores de Ohio e Virgínia, embora ambos os Estados sejam particularmente críticos à estratégia eleitoral de Romney.

Romney passou dois dias em campanha na Virgínia nesta semana e voltará ao seu Estado na semana que vem. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUA eleição Obama Romney

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.