Obama combate questionamentos sobre patriotismo

Democrata tenta responder a rumores de que ele e sua mulher não seriam apegados aos valores americanos

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

01 de julho de 2008 | 00h00

O senador Barack Obama, candidato democrata à Casa Branca, fez ontem um discurso para defender-se dos boatos sobre sua falta de patriotismo. O local escolhido foi a cidade natal do ex-presidente Harry Truman, Independence, no Estado do Missouri. Obama disse que não pretende questionar o patriotismo de ninguém e culpou sua desatenção em relação a algumas críticas direcionadas e ele. "Jamais vou questionar o patriotismo de outras pessoas durante minha campanha. E não vou ficar calado quando ouvir outras pessoas questionarem o meu", disse o senador, que usou um broche com a bandeira americana, o que não fazia havia várias semanas. A campanha de Obama quer reforçar os valores nacionalistas do candidato nos dias que antecedem o 4 de Julho, dia da independência dos EUA. O candidato é vítima de constantes rumores de que ele e sua mulher, Michelle, não são apegados aos valores americanos. Por isso, Michelle também aderiu à campanha patriótica dos estrategistas democratas. Na semana passada, ela foi ao programa The View, da rede ABC News, para defender seu patriotismo. Em uma entrevista ao jornal USA Today, publicada ontem, Michelle disse novamente que "sempre teve orgulho de ser americana". "A minha própria história, o fato de que hoje estamos em uma campanha eleitoral, não seria possível em outro país", afirmou.Obama rejeitou ontem as declarações do general aposentado Wesley Clark, seu conselheiro para assuntos militares. Clark afirmou no domingo que o simples fato de ter sido prisioneiro de guerra no Vietnã não significa que John McCain, candidato republicano, seja um bom comandante-chefe. "Obama respeita o passado de McCain e condena as declarações do general", disse Bill Burton, porta-voz da campanha democrata. Os republicanos não ficaram satisfeitos e atacaram o democrata. "Estamos cansados de saber que não podemos confiar na palavra dele", criticou Rick Davis, chefe da campanha republicana. BILL CLINTONDe acordo com Terry McAuliffe, que foi chefe da campanha de Hillary Clinton nas primárias democratas, Obama e o ex-presidente Bill Clinton devem encontrar-se nos próximos dias. Segundo ele, os dois conversaram ao telefone ontem e acertaram detalhes do encontro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.