Obama comete gafe sobre Jogos Paraolímpicos

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, cometeu uma gafe ontem durante sua participação no "The Tonight Show". Na conversa com o apresentador Jay Leno, Obama disse que tem praticado na pista de boliche da Casa Branca, mas não estava satisfeito com sua pontuação. "Parecia os Jogos Paraolímpicos ou algo assim", comentou. A plateia riu, mas a Casa Branca logo notou a gafe. Quando voltava para Washington no Air Force One, Obama telefonou para o presidente dos Jogos Paraolímpicos, Tim Shriver, para se desculpar. A ligação ocorreu mesmo antes de o programa gravado ir ao ar.

AE-AP, Agencia Estado

20 de março de 2009 | 11h23

"Ele demonstrou seu desapontamento e se desculpou de um modo muito tocante. Ele afirmou que não queria humilhar essa parcela da população", relatou Shriver à emissora ABC. Obama, segundo Shriver, quer que alguns atletas paraolímpicos visitem a Casa Branca para jogar boliche ou basquete. Ainda assim, Shriver lembrou: "Eu acho que é importante se perceber que as palavras machucam e elas realmente importam. E essas palavras em algum aspecto podem ser vistas como humilhantes ou um desestímulo às pessoas com necessidades especiais, que realmente causam dor e de fato resultam em estereótipos."

Um porta-voz da Casa Branca, Bill Burton, disse que o comentário não tinha como objetivo menosprezar os Jogos Paraolímpicos. A intenção seria apenas fazer uma piada sobre a falta de habilidade do presidente no boliche. "Ele acredita que os Jogos Paraolímpicos são extraordinários, um evento que dá uma oportunidade para brilhar às pessoas com necessidades especiais de todo o mundo", afirmou Burton. Shriver é filho da fundadora dos Jogos Paraolímpicos, Eunice Kennedy Shriver, e sobrinho do senador Edward Kennedy. O apoio desse senador foi crucial no início das primárias partidárias para que Obama conseguisse ser o indicado dos democratas, superando Hillary Clinton.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamagafeJogos Paraolímpicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.