Obama comuta sentenças de 46 réus

Obama comuta sentenças de 46 réus

Apesar de os delitos envolverem posse ou distribuição de drogas ilícitas, não se tratavam de crimes violentos

O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2015 | 17h19

WASHINGTON - O presidente Barack Obama comutou nesta segunda-feira, 13, as sentenças de 46 réus condenados à prisão por crimes relacionados a posse ou tráfico de drogas. A maioria deles havia sido condenada a cumprir 20 anos na cadeia. A medida visa destacar a necessidade de uma reforma no sistema de justiça criminal do país. 

As sentenças dos réus, entre eles ao menos dois hispânicos, foram reduzidas e expirarão no dia 10 de novembro, segundo informações divulgadas pela Casa Branca em um comunicado. Obama afirmou que as punições não condizem com os crimes e que "essas pessoas merecem uma segunda oportunidade".

Os réus que poderão sair da prisão em novembro foram condenados por delitos de posse ou distribuição de substâncias como cocaína e maconha. Em alguns casos, houve porte de armas, mas nunca um crime violento. 

As sentenças foram dadas com base nas políticas duras aplicadas durante a chamada "guerra contra as drogas", que desde a década de 1990 aumentou a severidade das penas por produção, posse ou distribuição de drogas ilegais.

O anúncio ocorre três dias antes de Obama se tornar o primeiro presidente americano a visitar uma penitenciária federal durante seu mandato.

Amanhã, o presidente fará um discurso em que apresentará ideias para tornar o sistema de justiça criminal americano mais justo, e reduzir o encarceramento massivo.

"Nós gastamos mais de US$ 80 milhões por ano com a prisão de pessoas que, muitas vezes, não estavam envolvidas em crimes violentos", disse hoje em um vídeo publicado na página oficial da Casa Branca no Facebook.

Durante todo o seu mandato, Obama comutou as sentenças de 89 condenados. / EFE e AP

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosObamaprisãosentença

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.