Obama condena violência contra manifestantes no Egito

o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou firmemente a repressão das forças de segurança do Egito contra os apoiadores do presidente deposto Mohammed Morsi, que deixou pelo menos 343 mortos. Obama afirmou que a declaração de estado de emergência deveria ser encerrada e disse que os EUA cancelaram um exercício militar conjunto que fariam com o Egito no próximo mês.

AE, Agência Estado

15 de agosto de 2013 | 11h57

"O uso da força não é uma forma de promover mudanças políticas. O povo egípcio merece algo melhor do que a violência imposta sobre ele", comentou Obama em um pronunciamento feito de sua residência em Martha''s Vineyard (Massachusetts), onde passa férias. O presidente disse que os EUA não podem decidir o futuro do Egito e não tomam partido, mas afirmou que o país está em um caminho muito perigoso. Segundo ele, outras medidas punitivas contra o governo do Egito estão sendo estudadas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoviolênciaObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.