Obama condena violência e pede moderação na resposta aos protestos

Presidente dos EUA se diz 'profundamente preocupado' com a situação na Líbia, no Bahrein e no Iêmen

estadão.com.br

18 de fevereiro de 2011 | 15h54

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, exigiu que os governo do Bahrein, da Líbia e do Iêmen mostrem moderação ao lidar com os protestos populares que irromperam nessas nações. É a primeira vez que o líder americano se manifesta sobre a revolta nesses países, mesmo que não presencialmente. As declarações de Obama estão em um comunicado enviado do avião presidencial dos EUA.

 

Veja também:

especial Infográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

blog Radar Global: Protestos no mundo islâmico

 

"Estou profundamente preocupado com os relatos de violência no Bahrein, na Líbia e no Iêmen. Os EUA condenam o uso de violência contra protestos pacíficos nesses países e onde mais as manifestações ocorram", diz o comunicado, lido pelo porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

 

"Os EUA exigem que os governos do Bahrein, da Líbia e do Iêmen mostrem moderação nas respostas aos protestos pacíficos e respeitem os direitos de seus povos", conclui o comunicado.

 

Os protestos no mundo islâmico irromperam após as revoltas populares do Egito e da Tunísia, onde ditaduras que duravam décadas foram derrubadas. Além de Líbia, Bahrein e Iêmen, já houve manifestações na Jordânia, na Argélia e nos territórios palestinos.

 

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.