Obama conquista candidatura democrata

Senador anuncia que obteve número suficiente de delegados

Patrícia Campos Mello, St. Paul, EUA, O Estadao de S.Paulo

04 de junho de 2008 | 00h00

Depois de 16 meses e 54 prévias, o senador Barack Obama anunciou ter ultrapassado ontem a marca de 2.118 delegados e superdelegados necessários para conquistar a candidatura do Partido Democrata à presidência dos EUA. A certeza veio antes do encerramento da votação das últimas prévias, em Dakota do Sul e Montana, graças a uma enxurrada de apoio de superdelegados e a projeções de TVs e da Associated Press. "Hoje acaba uma travessia histórica e começa outra, que trará um novo e melhor dia para os EUA", afirmou Obama à noite a 18 mil partidários no Xcel Energy Center, em St. Paul, Minnesota (por sinal, o local onde o partido adversário, o Republicano, fará sua convenção). "Hoje já posso dizer a vocês que serei o candidato do Partido Democrata à presidência dos EUA."Pouco antes, em discurso em Nova York, Hillary Clinton saudou Obama por uma "disputa extraordinária", mas negou-se a admitir a derrota, afirmando que decidirá nos próximos dias o que fazer. Em St. Paul, o primeiro negro a ser candidato à presidência por um grande partido elogiou sua rival: "Hillary Clinton fez história nesta campanha não só por ser uma mulher que fez algo nunca antes feito por uma mulher, mas porque é uma líder que inspira milhões de americanos com sua força e coragem." Obama quer conquistar os 17 milhões de eleitores de Hillary durante as primárias e serão essenciais para o candidato democrata nas eleições de novembro. Segundo Obama, o partido não sairá dividido do ciclo de primárias. "Por causa das prévias, milhões de americanos votaram pela primeira vez", assinalou o senador. "Há independentes e republicanos que entendem que esta eleição é sobre a necessidade de mudar Washington. Há jovens, negros, hispânicos e mulheres de todas as idades que votaram em número recorde e inspiraram a nação."O senador também mostrou qual será o formato de seu discurso contra o adversário republicano, o senador John McCain. Apesar de elogiar o heroísmo de McCain, Obama tenta abortar a tentativa do republicano de se retratar como independente do presidente George W. Bush e como agente de mudança. "McCain não representa mudança, ele votou com George W. Bush 95% das vezes no Senado, no ano passado; ele oferece mais quatro anos de políticas econômicas de Bush que não conseguiram criar empregos bem remunerados", disse Obama. Ele atacou o continuísmo de McCain na política para o Iraque. "Essa é uma política que procura motivos para ficar no Iraque, enquanto gastamos bilhões numa guerra que não está tornando os americanos mais seguros."DIPLOMACIAO senador voltou a defender a diplomacia e o contato com países inimigos dos EUA. "Mudança é reconhecer que as ameaças de hoje exigem não apenas nosso poder de fogo, mas o poder de nossa diplomacia, diplomacia direta que mostre que o presidente dos EUA não tem medo de mostrar para nenhum ditadorzinho qual é a posição da América; precisamos de novo ter coragem e convicção para liderar o mundo livre."Obama foi interrompido mais de 20 vezes por aplausos. No final do discurso, quando afirmou que "este é o momento em que o nível dos oceanos vai subir mais devagar e nosso planeta começa a sarar, este é o momento em que nós acabamos com a guerra", a platéia tomou formas de uma grande celebração evangélica. Todos ficaram com os braços erguidos, como se estivessem em transe. FRASESBarack ObamaPré-candidato democrata"Hoje já posso dizer a vocês que serei o candidato do Partido Democrata à presidência dos EUA""Hillary fez história na campanha não só por ser uma mulher que fez algo nunca antes feito por uma mulher, mas porque é uma líder que inspira milhões de americanos com sua força e coragem""McCain não representa mudança: votou com Bush 95% das vezes no Senado em 2007"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.