Obama critica decisão sobre propaganda política

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, criticou hoje a decisão da Suprema Corte que abriu caminho para que as corporações possam dar apoio financeiro livremente, classificando-a medida como grande vitória dos interesses especiais e que "devasta o interesse público". Ele afirmou ainda que sua administração trabalha com o Congresso para desenvolver uma solução legislativa bipartidária que reverta a regra.

AE-DJ, Agencia Estado

23 de janeiro de 2010 | 10h35

"A última coisa que precisamos é dar mais influência a lobistas em Washington, ou mais poder aos interesses especiais que superam as eleições", disse Obama em seu programa de rádio semanal.

Em placar apertado, a Suprema Corte decidiu, por 5 votos contra 4, reverter as restrições para o financiamento de campanhas eleitorais, por classificar a proibição inconstitucional por limitar a liberdade de expressão. Obama demonstrou receio, afirmando que a decisão "abre o portão para ilimitada quantia de dinheiro voltado para interesses especiais em nossa democracia", incluindo corporações estrangeiras interessadas no resultado das eleições norte americanas. "A decisão atinge nossa democracia", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Obamapropagandafinanciamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.