Obama dá prazo para Irã permitir acesso a usina nuclear

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deu hoje duas semanas para que o Irã permita "acesso irrestrito" às suas instalações para enriquecimento de urânio em construção perto de Qom. "Nossa paciência não é ilimitada," disse durante a entrevista coletiva na Casa Branca. A declaração ocorreu após a reunião de hoje na Suíça entre Irã, países membros do Conselho de Segurança da ONU (EUA, Grã-Bretanha, Rússia, França, China) e Alemanha.

AE, Agencia Estado

01 de outubro de 2009 | 17h48

Obama pediu passos concretos e que o Irã demonstre "comprometimento com a transparência". "Caso o Irã não cumpra suas obrigações, então os EUA não continuarão a negociar indefinidamente. Nós estamos preparados para avançar rumo ao aumento da pressão", afirmou o norte-americano.

Ele ainda ponderou: "O encontro foi um início construtivo, mas deve ser seguido por ação construtiva pelo governo iraniano", afirmou Obama. Segundo ele, caso o Irã cumpra suas obrigações, isso deve resultar em melhoria nas relações bilaterais.

Na semana passada, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), entidade vinculada à ONU, confirmou a existência de uma planta para enriquecimento de urânio em construção em Qom. As potências pressionam Teerã a desistir de seu programa nuclear, mas o regime iraniano afirma ter apenas fins pacíficos e se recusa a atender à pressão. Para países como EUA e Israel, o Irã busca secretamente produzir armas nucleares.

Hoje, o diretor-geral da AIEA, Mohamed ElBaradei, foi convidado pelas autoridades iranianas a visitar o país, o que planeja fazer em breve, diz um comunicado divulgado pela agência. "O diretor-geral ElBaradei foi convidado a ir a Teerã por autoridades iranianas", disse a agência. "Ele vai viajar para lá em breve para discutir um número de questões." As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.