AP Photo/Pablo Martinez Monsivais
AP Photo/Pablo Martinez Monsivais

Obama declara pessimismo com relação ao futuro da Síria

Presidente dos EUA pediu a Vladimir Putin que aumente os esforços para limitar violência e sofrimento da população síria

O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2016 | 10h46

LIMA - O presidente dos EUA, Barack Obama, declarou no domingo que não está otimista em relação ao futuro imediato da Síria, no momento em que o regime e a aliada Rússia bombardeiam a população civil em Alepo.

"Eu não sou otimista sobre as perspectivas de curto prazo na Síria", afirmou Obama durante uma coletiva de imprensa em Lima, Peru, advertindo que a segunda maior cidade da síria cairá provavelmente nas mãos das forças do presidente Bashar Assad.

"Uma vez que a Rússia e o Irã tomaram a decisão de apoiar Assad em sua campanha aérea brutal (...) é difícil ver como a oposição, incluindo aquela treinada e moderada, poderia manter suas posições por um longo tempo", acrescentou.

O presidente americano pediu no domingo ao colega russo Vladimir Putin que aumente os esforços para limitar a violência e o sofrimento da população na Síria, durante um encontro informal em Lima, de acordo com uma fonte da Casa Branca.

Obama também afirmou que seu sucessor Donald Trump não deveria ser criticado antes de assumir suas funções, mas deixou claro que tomará a palavra se os valores americanos forem ameaçados. "Vou ser respeitoso da função (presidencial) e darei ao presidente eleito a oportunidade de constituir a sua equipe e aplicar a sua política", mas se alguma coisa for "contrária aos ideais e valores, e que eu considerar ser necessário defendê-los, então examinarei a situação".

O presidente americano disse que enfrentou a questão do envolvimento americano na Síria durante cinco anos e concluiu que Washington não tem base legal para um envolvimento militar no país estrangeiro, e destacou que fazê-lo teria sido um "erro estratégico", dado o esforço de estabilização no Afeganistão e no Iraque e a necessidade de enfrentar o Estado Islâmico. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.